Cicatrizes abertas e um ano desaparecido.

Já deve fazer cerca de um ano que eu não posto no meu blog, daí me pego sempre pensando que eu escrevi, escrevi, pensei, dediquei tempo e me pergunto constantemente  o porque de ter deixado de escrever nesse espaço que eu tanto gosto, não tenho uma boa resposta, nem tenho uma desculpa, apenas abandonei, e o pior e que eu realmente sei, abandonei pessoas que liam, que opinavam, mas isso é o menos importante nesse momento, pois estou de volta a vós escrever, com novas idéias e um novo gás para escrever e fazer acontecer novamente.

Deixando um pouco as explicações de lado, vamos ao que realmente importa. Hoje estou aqui para fazer uma resenha de um livro que eu ganhei há algum tempo atrás, e que eu gostaria de compartilhar um pouco com vocês.

Essa é a minha primeira resenha então, relevem um pouco caso a escrita, caso alguma reclamação só mandar uma mensagem =D

Cicatrizes – David Small

Cicatrizes1

Aviso esse material pode conter spoiller! Vou tentar me controlar para não fazer muitos, mas alguns são muito importantes. Então vamos à resenha…

 Já leu um livro que te fez pensar na vida? Já todos já lemos, todos já vimos alguns valores que são passados nos livros, sejam eles morais, sociais ou éticos. Mas e quando esses valores são passados através da vida de uma pessoa e você acaba se colocando no lugar dela? Como se comportar? Como não acabar se emocionando, não por uma tristeza, mas com a ideia de viver aquele momento, saber que aquilo poderia acontecer com você? Foi o que David Small fez em seu livro biográfico e quadrinizado intitulado Cicatrizes.

David relata como conseguiu burlar os problemas familiares que teve os problemas de saúde e conseguiu vencer o câncer. A narrativa de um ponto de vista infantil é o ponto forte, mostrando bem entre um quadrinho e outro o que vivenciava uma criança criada com a rigidez de uma família americana. O quadrinho é feito de forma linear, começo meio e fim, não precisando encher linguiça, simples e direto.

O ponto alto do quadrinho é o modo como David te leva a conhecer sua vida, deixando que você não seja um mero leitor e viva aquele momento com ele, deixando aflito sobre um problema de saúde que ele desenvolve com 11 anos e que só consegue operar aos 14, mostrando que aquilo não era importante para ter sua atenção. A esperança que tem ao ver sua mãe no quarto do hospital perguntando o que ele deseja e pensa que aquele momento é um momento único onde ele poderia ter um desfecho feliz, mas o mesmo se lembra de quando todos os seus preciosos tesouros foram jogados no lixo e torna o encontro um tanto difícil. A decisão da operação que surge porque não teriam como fugir da operação e então resolvem fazer, e descobrir que teria que fazer duas cirurgias, sem entender o porquê daquele procedimento, mas mesmo assim ainda o aceita de forma calma e de bem.

images

O difícil acordar e não conseguir falar, a descoberta de uma enorme cicatriz no lado do pescoço, o achar de um bilhete que lhe revelaria que possuiu câncer e o turbilhão de emoções que passam pela sua cabeça naquele momento, tudo isso com apenas 14 anos. As sessões de psiquiatria que o levavam para um mundo de descobertas onde ele conseguia melhor entender a sua vida, por mais difícil que seja. Com alguns meses depois ter que encarar que seu câncer foi causado pelo próprio pai, que aplicava doses maiores de raios-x do que devia, afim de curar uma sinusite. Revelações de sua mãe, morte na família, e por ai vai até descobrir tudo o que estava acontecendo realmente dentro de sua família.

A narrativa despretensiosa e limpa de David Small explora cada sentimento que o leitor possa passar, fazendo com que o mesmo tenha sido engolido pelo livro, causando certa angustia ao final do livro, forçando a pensar como seria a sua reação a cada descoberta dessas que poderiam mudar a sua vida?

Cada pessoa tem uma maneira de agir, seja ela de forma áspera, de forma calma, gritando ou até mesmo xingando, é normal do ser humano buscar uma forma de poder expelir o que ele sente através de algo. Entretanto é muito mais complexo pensar em como todas essas questões morais e familiares sem ler o livro, apenas por uma resenha, mas se coloque na seguinte passagem do livro “Seu pai o convida para um café, depois uma volta no caís, quando ele se vira e fala: – X você teve câncer por minha causa, eu causei isso!”, como você reagiria a uma revelação dessas?

 42504201101

Indicação para se ouvir no Dia Mais Claro.

Todo mundo tem a sua banda que gosta de ouvir a todo momento, seja em uma Noite Mais Densa, ou mesmo no seu Dia Mais Claro, entretanto existem também as bandas que em todos os momentos são boas, por isso resolvi fazer dois posts, cada um contando um pouco do meu gosto para cada uma das situações listadas acima!

Para começar o Dia Mais Claro, mas porque esse nome? Oras o dia mais claro, pensemos quando é o dia mais claro da vida de todo mundo? O momento onde tudo dá certo? Quando se ganha um presente? Quando se pensa na pessoa amada, quando se ganha dinheiro ou se acha, ou o dia que se acorda de Bom Humor? Então para as pessoas que vivem e respiram ouvindo musica, isso é bem comum tudo é levado para o lado musical! Simples assim! Lembrando que o Dia Mais Claro é um estado do dia onde você costuma se alegrar mais ou então ter os picos de bom humor!

Então, vamos ver, é difícil escolher uma banda para o Dia Mais Claro porque dificilmente eu ganhou ou encontro dinheiro, ou então acordo de Bom Humor, mas vamos ver… Não quero simplesmente pegar uma banda de Rock / Metal que possa se colocar neste local apenas para minha pessoa, gostaria de poder compartilhar com todos o quanto isso pode significar algo, claro na medida do possível! =D

PS: A segunda parte desse post vai sair no sábado, dia 02 de abril, depois disso vou começar um projeto que vai durar 5 semanas e a cada segunda e sexta vão ter posts novos sobre o assunto, o título: “100 Bandas de Metal para se ouvir Antes de Morrer” Então fiquem de olho!! 

metal-logos

Continuo pensando e nada me vem a cabeça… Éis que me surge uma banda chamada Blind Guardian, mas eu já escrevi sobre eles uma vez aqui no blog então não é legal repetir! Variações de um mesmo tema então não vou falar de uma banda de metal, falando nisso lembrei de uma banda Engenheiros do Hawaii. Sim o Grande Engenheiros do Hawaii, a banda de um homem só o incrível Humberto Gessinger!

engenheiros_hawaii

Então hoje vamos falar de Engenheiros do Hawaii!

Segundo a Wikipédia:

Quatro estudantes da Faculdade de Arquitetura da UFRGS – Humberto Gessinger (vocal e guitarra), Carlos Stein (guitarra), Marcelo Pitz (baixo) e Carlos Maltz (bateria) – resolveram formar uma banda apenas para uma apresentação em um festival da faculdade, que aconteceria por protesto à paralisação de aulas. O primeiro show da banda foi em 11 de janeiro de 1985. Escolheram o nome Engenheiros do Hawaii para satirizar os estudantes de engenharia que andavam com bermudas de surfista, com quem tinham uma certa rixa.

Esse foi o começo de uma banda que iria passar por muitas formações e que viveria mais de 20 anos!

A discografia do EngHaw é composta por 17 álbuns sendo que 13 de estúdio, 1 ao vivo (10.000 Destinos), 1 acústico (Acústico MTV), 1 lual (Lual MTV) e 1 semi-acústico (Filmes de Guerra Canções de Amor).

Com uma discografia tão extensa, ficaria um post enorme se eu fosse falar de cada cd e de cada faixa então, vou citar algumas faixas que fazem com que eu me sinta melhor quando ouço!

engenheiros-do-hawaii-humberto-gessinger-9ad5b

Depois de cada letra vou falando um pouco de porque ela é importante, é um pouco longo mais vale a pena, as letras do EngHaw são realmente lindas!

– Todo Mundo é uma Ilha Engenheiros do Hawaii
Não me leve a sério, não me leve a mal
me leve para casa
Eu sou um bom rapaz, eu só bebi demais
preciso ir pra casa
Você me procurou, eu procurei dizer
que não valia a pena
Você não escutou, você me acusou
de estar fazendo cena
Não me leve a mal, mas eu não tô legal
quero ficar sozinho
Eu sou um bom rapaz, mas eu não sou capaz
de seguir o teu caminho
Você não sabe o que eu sinto
Você não sabe quem eu sou
A gente entrou num labirinto
Eu dancei, você dançou
Agora é tarde, já não tem mais jeito
já não tem saída
No fim das contas, a gente faz de conta
que isso faz parte da vida
Eu caí…, você caiu…, numa armadilha
A gente tenta se esquecer
que todo mundo é uma ilha
Agora já é noite, já não faz sentido
ficar se iludindo
No fim das contas a gente faz de conta
que o mundo não tá caindo
(refrão)
Eu dancei, você dançou

Todo mundo é uma ilha é uma faixa do primeiro álbum “Longe Demais das Capitais” é uma das minhas faixas preferidas porque mostra como é engraçado quando tudo parece muito enquanto você se sente pequeno, preso em uma ilha, como se tudo fosse muito enquanto você se sente pequeno, gosto dessa faixa porque ela me torna menor quando eu começo a alçar vôos maiores do que no momento posso fazer. Fora que me mostra que todo mundo é uma ilha, e que é difícil se chegar ao Eu de cada um.

Refrão De Bolero Engenheiros do Hawaii
Eu que falei nem pensar
Agora me arrependo roendo as unhas
Frágeis testemunhas
De um crime sem perdão
Mas eu falei nem pensar
Coração na mão, como o refrão de um bolero
Eu fui sincero
Como não se pode ser
Um erro assim tão vulgar
Nos persegue a noite inteira
E quando acaba a bebedeira
Ele consegue nos achar
Num bar,
Com um vinho barato
Um cigarro no cinzeiro
E uma cara embriagada no espelho do banheiro
Teus lábios são labirintos
Que atraem os meus instintos mais sacanas
O teu olhar
Sempre distante, sempre me engana
Eu que falei nem pensar
Agora me arrependo roendo as unhas
Frágeis testemunhas
De um crime sem perdão
Mas eu falei sem pensar
Coração na mão, como o refrão de um bolero
Eu fui sincero
Como não se pode ser
Um erro assim tão vulgar
Nos persegue a noite inteira
E quando acaba a bebedeira
Ele consegue nos achar
Num bar
Teus lábios são labirintos,
Eu sigo a tua pista todo dia da semana
Eu entro sempre na tua dança de cigana
Teus lábios são labirintos,
Que atraem os meus instintos mais sacanas
E o teu olhar sempre distante sempre me engana
"Iê-iê" Eu sigo a tua pista todo dia da semana
Todo dia, todo dia da semana
Eu sigo a tua pista todo dia da semana
O que eu falei foi sem pensar
Foi sem pensar!

Engraçado que essa música todos devem conhecer, me lembro bem que no lançamento do dvd 10.000 Destinos essa musica tocou muito nas rádios de Macapá junto com Piano Bar, essa música é linda passa o sentimento de tristeza, mesclado com um certo poder de te levantar, algo como “Perdeu? Bate a poeira e segue em frente!” Pelo menos eu me sinto muito assim, gosto muito de ouvir, principalmente a parte que ele diz “O que eu falei foi sem pensar!” E quem me conhece sabe que muitas vezes eu falo sem pensar!

Ando Só Engenheiros do Hawaii
Ando só
Pois só eu sei
Pra onde ir
Por onde andei
Ando só nem sei por que
Não me pergunte o que eu não sei
Pergunte ao pó
Desça ao porão
Siga aquele carro ou as pegadas que eu deixei
Pergunte ao pó por onde andei
Há um mapa dos meus passos nos pedaços que eu deixei
Desate o nó
Que te prendeu
A uma pessoa que nunca te mereceu
Desate o nó que nos uniu
Num desatino, um desafio
Ando só
Como um pássaro voando
Ando só
Como se voasse em bando
Ando só
Pois só eu sei andar
Sem saber até quando
Andó só
Ando só… até …sem saber até quando
Ando só

Me identifico muito com essa letra, as vezes eu saio de carro, saio andando, fico com a cabeça longe, pensando em meus sonhos, em minhas vitorias até o momento, em minhas derrotas, nas minhas crises, em tudo começo a perceber que eu realmente Ando só, não por não ter pessoas por perto, mas por andar só no sentido de me sentir desafiado a alcançar meus objetivos, se eu antes de todos não me movimentar ninguém vai fazer por mim. Então acredito que deva andar sozinho, mas não desacompanhado!

 Ninguém = Ninguém Engenheiros do Hawaii
há tantos quadros na parede
há tantas formas de se ver o mesmo quadro
há tanta gente pelas ruas
há tantas ruas e nenhuma é igual a outra
(ninguém = ninguém)
me espanta que tanta gente sinta
(se é que sente) a mesma indiferença
há tantos quadros na parede
há tantas formas de se ver o mesmo quadro
há palavras que nunca são ditas
há muitas vozes repetindo a mesma frase:
(ninguém = ninguém)
me espanta que tanta gente minta
(descaradamente) a mesma mentira
todos iguais
todos iguais
mas uns mais iguais que os outros
há pouca água e muita sede
uma represa, um apartheid
(a vida seca, os olhos úmidos)
entre duas pessoas
entre quatro paredes
tudo fica claro
ninguém fica indiferente
(ninguém = ninguém)
me assusta que justamente agora
todo mundo (tanta gente) tenha ido embora
todos iguais
todos iguais
mas uns mais iguais que os outros
o que me encanta é que tanta gente
sinta (se é que sente)
ou
minta (desesperadamente)
da mesma forma
todos iguais
todos iguais
mas uns mais iguais que os outros
todos iguais
todos iguais
tão desiguais…
tão desiguais…

Escolhi essa faixa justamente por causa do post, Ninguém é igual a Ninguém, pode ser que alguns concordem com minhas palavras pode ser que não, mas como já foi dito várias vezes Ninguém = Ninguém! =D

Algo Por Você Engenheiros do Hawaii
Hey garota
Não fique esperando o telefone tocar
Os homens são o que são e são todos iguais
O difícil é saber quem é clone de quem
Quem é clone de quem
Quem é clone de quem
Hey garota
Não fique esperando o telefone tocar
De volta ao passado, tecendo tapetes,
Esperando o guerreiro voltar
Já lhe fizeram sofrer demais
Já lhe fizeram feliz de mais
Tá na hora de você mesma fazer algo por você
Só você pode fazer!
Hey garota
O dia já passou
Não deixe a noite passar
Passe um batom – ou não –
E vá se divertir
Você vai descobrir quem é clone de quem
Já lhe fizeram sofrer demais
Já lhe fizeram feliz demais
Tá na hora de você mesma fazer algo por você
Só você pode fazer!
Hey garota…faça um favor…
Não fique esperando…faça algo por você
Hey garota…faça um favor…
Não fique esperando…faça algo por você
Faça algo por você!

Essa musica é muito legal, não tenho muito o que discorrer sobre ela só me encanta muito a frase “O difícil é saber quem é clone de quem” Voltamos as pessoas serem uma ilha, passando por ninguém ser parecido com ninguém, caminhando sozinho ou acompanhado, você deve fazer Algo por você!

Dançando No Campo Minado Engenheiros do Hawaii
eu devo estar ficando louco
?será que eu escutei errado?
a vida no maior sufoco
e os caras de papo furado
todo cuidado é pouco
nem pense em ficar parado
estamos no melhor da festa
dançando no campo minado
os sinais estão no ar
nas esquinas do país
mensagem pelo celular
água batendo no nariz
eu devo estar ficando louco
?será que eu escutei errado?
a vida no maior sufoco
e os caras de papo furado
?será que eu vivo em outro mundo
distante e inexplorado?
na hora da invasão,silêncio
dançamos no campo minado
os sinais estão no ar
no chão da praça da matriz
mensagem pelo celular
cortar o mal pela raiz
os sinais estão no ar

Gosto de ouvir essa musica pensando nessa nova geração que tá vendo o inferno que estamos vivendo atualmente e simplesmente a molecada continua de papo furado! Como diz a letra “Será que eu vivo em outro mundo?” Qualquer dia eu destilo meu ódio e rancor contra essa molecada de hoje em dia, não generalizo mais contra essa galera que vive pensando que o mundo é isso e pronto…A geração Happy? Ou Colorida? Enfim… gente que não sabe nem que existe carro no norte… Enfim isso é assunto para outro post!

E para terminar:

Seguir Viagem Engenheiros do Hawaii
Seguir viagem
Tirar os pés do chão
Viver à margem
Correr na contra mão
A tua imagem… e perfeição
Segue comigo e me dá a direção
Se dizem que é impossível,
Eu digo: é necessário!
Se dizem que estou louco
Fazendo tudo ao contrário
Eu digo que é preciso,
Eu preciso, é necessário
Seguir viagem
Tirar os pés da terra firme
E seguir viagem…
Seguir viagem
Tirar os pés do chão
Outros ares, sete mares
Voar, mergulhar
O que nos dá coragem
Não é o mar nem o abismo
É a margem no limite de sua negação
Se dizem que é impossível,
Eu digo: é necessário
Se dizem que é loucura
Eu provo o contrário
E digo… que é preciso
Eu preciso, é necessário
Seguir viagem
Tirar os pés da terra firme
E seguir viagem…
Seguir viagem… seguir viagem…
Tirar os pés da terra firme e seguir…

Não tem muito o que falar dessa musica, só ler e interpretar da sua forma!!

Gostaria de agradecer a todos que tem lido e que comentam ou apenas visitam o blog! Obrigado!! =D

Abraços
Anti-mentor!

Quanto vale uma Amizade?

Depois de muito tempo hoje volto a escrever hoje no blog, esses meses aconteceram diversas coisas, entre elas muitas conversas sobre o tema Amizade, amigos de longa data e novos também debatem os assuntos…

Bem, uma pequena homenagem a todos os meus amigos, quem ler e se identificar é porque é meu amigo… Quem achou que alguma coisa tem haver com você é porque já foi meu amigo ou algo assim… Enfim leiam…

maos

Aos meus amigos queridos, aos meus amigos que caíram e que acreditam que dificilmente se levantarão, aos meus amigos que sabem que são realmente amigos, aos amigos que mesmo de longe sempre trazem noticias boas, aos que eu não vejo a muitos anos mas que mesmo assim ainda tenho muito carinho por eles! Aos meus Amigos, um copo de Rum em nome de uma amizade que cruzam os 7 mares!

pirata_montilla_

Amizade

Uma palavra de 7 letras
Que significam uma vida
Um momento, uma luz
Mas, quanto vale essa amizade?

Um ombro amigo?
Palavras ásperas?
Segredos inconfessáveis?
Ou apenas uma palavra de 7 letras?

Uma palavra descrita em:
3 minutos ou 3 anos
Em cem dias ou sem dias?
Sempre existe o momento

Uma vida, uma morte
Um coração, um abraço
Um copo de vinho, um brinde
Um sentimento nunca esquecido

Que pode esfriar
Mas nunca se apaga
O fogo que arde enquanto durar
Que se diz durar para sempre!

Mas, quanto vale essa amizade?

Por: Leandro Cavalcante   

Abraço a todos!!
AntiMentor

Heavy Rain

Fala galera vou voltar a postar com mais freqüência já que o trabalho tem dado um pouco de folga, então eu resolvi postar sobre um jogo que eu realmente joguei esperando que fosse foda e o jogo realmente é muito mais que foda é sensacional, em todos os sentidos, trama, personagens, jogabilidade, etc… Bem vamos ao que interessa! Ahhh sim esse é um jogo PT/PT ou seja ele é dublado e legendado em Português de Portugal o que não é muito ruim principalmente para quem não saca tanto de inglês isso torna um prato cheio.

Heavy Rain – Chuva Pesada

heavytop

Heavy Rain é um jogo do gênero drama interativo desenvolvido pela Quantic Dream exclusivo para PlayStation 3. O jogo é dirigido pelo fundador da Quantic Dream David Cage. A história de Heavy Rain é um thriller dramático estilo filme noir, centrado em quatro protagonistas envolvidos com o mistério do assassino do Origami, um serial killer que usa longos períodos de chuva para afogar suas vítimas.

Heavy-Rain-US-Cover

Esse jogo é simplesmente fantástico, a trama gira em torno do assassino do origami que mata suas vitimas afogadas na água da chuva, detalhe esse que durante o jogo quando aparece a hora e o local também aparece a precipitação de chuva do dia, o jogador interage com diversos personagens que formam a trama e que em determinado momento se cruzam, muitas vezes nem chegam a se falar mais descobrem os detalhes de forma discreta e bem sutil.

Os personagens principais e jogáveis são:

  • Ethan Mars é um arquiteto com uma esposa e dois filhos. Dois anos antes da história principal, seu filho mais velho morreu de em um acidente de carro. Ele agora está depressivo e separado de sua esposa e distante de seu outro filho, Shaun. Ethan logo descobre que Shaun foi capturado e pode se tornar a próxima vítima do assassino de Origami, e logo é forçado a ir aos extremos para salva-ló. Ele é dublado por Pascal Langdale.

4Q53OVCAR10AMSCA8IZXN3CA4V2E3ECAA4IIRLCAVACUQFCAYQU2H4CA6MG9LMCAO451EACAKG1JJ4CAZHJVZZCA28L9QRCAIWYE86CA38NL65CAT291MZCA8VWIV3CAFG42G3CAOLEPSFCA0IQBCE

  • Madison Paige é uma jornalista que vive sozinha na cidade. Sofre de insônia crônica, ela ocasionalmente dorme em motel, pois é o único lugar onde ela consegue dormir. Ela finalmente se vê envolvida no caso do Assassino do Origami, realizando suas próprias investigações. Ela é dublada por Judi Beecher, e sua imagem e captura de movimentos foram fornecidas por Jacqui Ainsley.

heavy-rain_1_screen

  • Norman Jayden é um agente do FBI enviado para ajudar a polícia na investigação sobre o Assassino do Origami. Jayden possui um conjunto de óculos de realidade aumentada experimental chamado "Interface de Realidade Adicionada" ou IRA. Ele permite investigar cenas de crimes e analisar provas com mais rapidez. Ele também está lutando contra o vício da droga chamada "triptocaine". Ele é dublado por Leon Ockenden.

images

  • Scott Shelby é um policial aposentado, que sofre de ataques de asma, atualmente trabalha como detetive particular. Em nome das famílias das vítimas anteriores, ele está conduzindo sua própria investigação sobre o Assassino do Origami. Ele é dublado por Sam Douglas.

heavy-rain-scott-shelby_172sb

Certo apresentado o enredo e os personagens vamos para o outro fator do jogo, a jogabilidade, que é bem diferente, ao invés de combos com armas e milhares de botões como em God of War, Shadow of Colossus, Meias luas de Street Fighter, os comandos são simples na maioria das vezes o comando é apenas para o lado esquerdo ou direito, a movimentação do controle é algo importante também, durante o tutorial aparece uma cena onde Ethan toma banho, após isso balançando o controle para cima e para baixo ele enxuga a cabeça, balançando para os lados ele enxuga o resto do corpo. Durante os puzzles botões aparecem na tela conforme aparecem o jogador deve aperta-lós para poder fazer a ação. As lutas são um caso a parte, de acordo com o comando que você aperta você pode simplesmente se esquivar ou bater, nunca você tem que ganhar, dependendo disso a cena depois pode mudar.

dicas-HEAVY-RAIN-ps3

Esse é um ponto muito importante no jogo, você nunca perde nenhum personagem, como assim nunca perde? Eles não morrem? Sim eles morrem mais isso não quer dizer que porque ele morreu deu Game Over, isso influencia de forma direta em um dos 17 ou 23 finais que o jogo possui.

Durante uma luta se você conseguir ganhar as próximas cenas vão ser diferentes e isso muda totalmente o destino do jogo, em certas partes você precisa matar pessoas e isso não faz parte por exemplo do seu fetio, então você pode ou não matar, caso não mate algo acontece, caso mate tudo muda com o decorrer do jogo.

heavy-rain

Interessante é que o jogo tem um pouco de Jogos Mortais (SAW) com Seven, onde o assassino tenta ver até onde um pai é capaz de chegar por causa de seu filho, uma das cenas mais marcantes do jogo é quando um dos personagens é obrigado a cortar o próprio dedo para poder continuar no “jogo do assassino” e salvar a criança em questão, todos os personagens estão de alguma forma ligados ao assassino do origami e eles não tem como fugir disso.

Outro ponto positivo do jogo é que as cenas de ação acontecem de forma muito veloz, então você está vendo uma CG e quando nota começam a aparecer comandos na tela, isso é estranho mais veloz tornando o jogo dinâmico prendendo o jogador ao máximo na cadeira.

Durante a cena é possível apertar o botão e descobrir quais são os pensamentos do seu personagem, e com isso é mais fácil saber até onde eles conseguirão ir durante a trama.

heavy_rain1

A trilha sonora é um capitulo a parte, cada cena tem uma trilha diferente e mesmo em cenas de ação isso muda, todas elas vão se enveredando para um lado mais sombrio, com um tom de “O Iluminado” e “O Exorcista”.

 

Notas da critica

  • 10/10 Gamervision.com
  • 10/10 Boomtown.net
  • 10/10 Totalvideogames.com
  • 5/5 Gamepro.com
  • 9,8/10 Psillustrated.com
  • 9,7/10 Everyeye.it
  • 9,5/10 Gameinformer.com
  • 9,4/10 Multiplayer.it
  • 9,2 Gamingxp.com
  • 9,1/10 1up.com
  • 9/10 Eurogamer.net
  • 9/10 Ign.com

 

Bem galera o post é pequeno mais é porque realmente eu curti muito o jogo, Foda demais!! =D Joguem comentem!

Abraços

Anti-Mentor

Street Fighter…

Fala galera, depois de muito tempo sem postar vou espantar a poeira e voltar a postar, o trabalho tem ficando complicado muita coisa pra fazer e o vestibular da Instituição que eu trabalho chegando acaba ficando difícil postar com freqüência!

O post de hoje é sobre um dos maiores jogos de luta para vídeo game que já surgiram, com isso aproveito e respondo algumas duvidas que surgiram durante a conversa como personagens interessantes aparecem e somem do nada, etc… Bem vamos ao que interessa a todos!! Round 1!! Fight!!

streetfighter-logo-white

Street Fighter 1

Street Fighter fez pouco impacto em seu lançamento. Porém seus controles eram inovadores, com 1 joystick e 2 botões hidráulicos, que dependendo da força davam potência diferente ao golpe. Como geralmente se batia com muita força, foram trocados pelos 6 botões que se tornaram tradição na série.

O game acompanhava Ryu ou Ken Masters , duelando com 10 lutadores de 5 países. O game introduziu os golpes especiais da Bola Flamejante (Ball of Fire, Hadouken, 波動拳), Soco do Dragão (Dragon Punch, Shoryuken, 昇龍拳), e Chute Furacão (Hurricane Kick, Tatsumaki Senpukyaku, 竜巻旋風脚), que ficariam com Ryu e Ken pelo resto da série. Sagat, ainda sem a cicatriz no peito, é o chefe final do jogo.

Nesse jogo só era possível controlar os 2 personagens principais, então não existe muito o que falar do jogo, só algumas imagens mesmo!

StreetFighter1 StreetFighter-1-BMK

 

Street Fighter II

Inicialmente lançado como Street Fighter II: The World Warrior em 1991, SF II tornou-se um grande sucesso, popularizando o estilo de jogo. Controlando entre 8 jogadores (Ryu, Ken, Blanka, Zangief, Dhalsim, Guile, E. Honda, e Chun-Li, todos de países diferentes exceto os japoneses Ryu e Honda, e os americanos Ken e Guile), além de 4 chefes (Sagat, que aparecera no jogo original; Mike Bison, Balrog, e Vega). Por sinal, os três chefes "novatos" tiveram seus nomes alterados fora do Japão (o boxeador afro-americano era chamado M. Bison, parodiando Mike Tyson; para evitar processo, a Capcom rebatizou-o como Balrog, que era o nome do toureiro espanhol rebatizado Vega; que era o nome do chefe final, esse batizado como M. Bison).

Esta versão número II do street fighter também conheceu o seu sucesso através de Trilhas Sonoras bem-trabalhadas desta vez, como a melodia inspirada em elementos chineses no estágio da Chun-Li e na melodia adaptada de guitarra do estágio do Guile, sendo que todos os sons do jogo são disponíveis para escuta nos menus iniciais do jogo; é possível inclusive encontrar versões realizadas por bandas fãs na internet em piano e/ou guitarra, alguns até com letra (vocal) não-oficial.

O jogo também inovou a forçar o protagonista viajar por diferentes países através de cenários locais, como os elefantes na fase do Dhalsim, elementos japoneses nos estágios de E. Honda e Ryu (mostrando cenários tipicamente orientais) e inclusive o interior brasileiro na fase relativa ao Blanka.

Agora aprofundando um pouco mais na história do jogo:

  • Blanka

Blanka2 

Blanka estava em um avião, possivelmente acompanhado de seu pai, quando passavam por uma base da Shadaloo. O avião foi abatido, e Blanka sobreviveu à queda. Cresceu entre os animais, criando um estilo de luta selvagem autodidata e desenvolvendo a habilidade de emitir choques elétricos.

Em Street Fighter Alpha 3, o seu desenho foi novamente alterado para torná-lo menos feroz. Sua história, tal como as de outros personagens da série, serve como um precursor para os eventos de Street Fighter II. A história diz que Blanka conheceu pela primeira vez a civilização ao entrar escondido numa caçamba de um caminhão que transportava melancias.

Também é revelado que Blanka salvou um turista dos perigos da selva. Seu nome era Dan Hibiki, e eles se tornaram amigos. Quando ele pegou uma carona no caminhão de um contrabandista, Carlos (seu nome real no ocidente, Jimmy no Japão) conheceu o mundo pela primeira vez. Encontrou-se com seu velho amigo Dan, e teve uma amigável luta com ele. Eventualmente ele conheceu a "aluna" de Dan, Sakura Kasugano, e lhe prometeu um duelo. Não contente com o mundo fora da selva, Blanka retornou. Ele também parece ter sido caçado pela Shadaloo como uma potencial cobaia para experimentos, fato mostrado inclusive no filme live-action de Street Fighter (filme). Blanka fica sabendo então que a Shadaloo derrubou seu avião.

Blanka foi convidado e lutou no segundo Torneio Mundial de Lutadores, com o propósito de ficar famoso e reencontrar os remanescentes de sua família, e provavelmente lutou com Guile. Sua mãe estava assistindo, e ela o reconheceu pelas tornozeleiras que ele calçava. Ela imediatamente foi à sua procura e eles tiveram um emocionante reencontro. No término de Street Fighter II, Blanka reencontra sua mãe, Samanta. Ela revela que Blanka era conhecido como Carlos (ou Jimmy), e que sofreu um acidente de avião quando menino. Esse fato fez Blanka crescer em um ambiente selvagem, e desde o ocorrido ele viveu separado da mãe.

Em sua jornada para derrubar a Shadaloo, Blanka também enfrenta Zangief, e inconscientemente faz Zangief ajudar a destruir a Shadaloo. Ele então enfrenta Balrog, antes de lutar contra M. Bison. Após Bison ser derrotado, Blanka, Dan e Sakura trabalham juntos e destroem a arma de Bison, o Psycho Drive.

 

  • Zangief

zangief_big

Tendo sua primeira aparição em Street Fighter II Series, Zangief é um grande lutador profissional da União Soviética. Contratado por um homem chamado Erai Hito para representar seu país no II Torneio Mundial de Lutas, Zangief começa a treinar em condições extremas na Sibéria, determinado a demonstrar para todo o mundo o poder magnífico da Rússia. Então Zangief sai de seu treinamento como o Ciclone Vermelho.

Zangief é inimigo do M. Bison, porém, lutou contra Ryu e perdeu.

Zangief lutava com ursos polares na Sibéria, contra quem praticava seu golpe mais famoso: o Spinning Piledriver, depois de terem sido pegos por um ciclone enquanto realizava um giro sobre um urso. As cicatrizes que cobrem o corpo são o resultado da luta com ursos.

 

  • Dhalsim

dhalsim-20

Dhalsim (em japonês: ダルシム, Darushimu, baseado no sânscrito ധല്സിമ്) é indiano, que foi  presenteado pelo deus hindu do fogo Agni com a capacidade mística de soltar fogo pela boca, possui as famosas técnicas Yoga Fire, Yoga Flame e mais tarde, desenvolve o antiaéreo Yoga Blast.

Ele se destaca também por ter a habilidade de esticar braços, pernas, tronco e pescoço a longas distâncias. Seu alto nível de conhecimento da técnica da Yoga o permite se alongar até distâncias inacreditáveis, e além disso também permite ele se tele transportar. Adepto do hinduísmo, símbolos religiosos e elefantes compõem seu cenário, que se passa em um palácio na Índia.

Dhalsim é o único da nova geração que diz ser um mestre Yoga. Ele tem dedicado inteiramente a sua vida, mente, corpo e alma para chegar à perfeição das suas habilidades e buscado a perfeita união entre os seus poderes. Tendo vivido na solidão por muitos anos, e meditando por longos períodos da sua vida, restringindo a si mesmo a uma restrita dieta, Dhalsim conseguiu ir muito além dos seus limites e se tornou uma espécie de entidade.

Dhalsim viveu na pobreza junto com os povos da Índia. Todos estão famintos, procurando uma maneira de sair da miséria em que vivem, tanto faz seguindo o caminho do bem ou do mal. Dhalsim sabe que somente a sua meditação e preces não vão levar seu povo a nada, e mesmo vivendo com sua esposa Sally e seu filho Datta, Dhalsim odeia admitir que lutar é a única maneira de conseguir dinheiro para o seu povo, assim como trazer paz e tranqüilidade.

A meditação de Dhalsim junto com a união entre a sua mente, corpo e alma, permitiram-no atingir habilidades que muitos não podem explicar, como a de expelir fogo pela boca, alongar seus membros à proporções inimagináveis, e mandar seu corpo por um vértice de espaço e tempo, reaparecendo instantaneamente em outro lugar. No entanto, Dhalsim sente que ainda não atingiu o status de um mestre Yoga, pois sente o mal tanto no seu interior como no seu exterior. Enquanto procura a exclusão do seu mal, Dhalsim busca a sua purificação limpando o mundo do mal, assim como ajudando o seu povo, a sua consciência se tornará limpa de todas as impurezas.

 

  • Guile

guile_big

Quando era um jovem sargento, Guile aprendeu as técnicas militares de luta. Quando recrutado, tinha um porte físico muito magro, que com o tempo desenvolveu, tornando-se aos poucos o Guile Musculoso que conhecemos de jogos mais recentes. Durante este tempo, chegou a conhecer Ken Masters, de quem chegou a não gostar muito, tendo a enfrentar este, que teve que ser hospitalizado após a briga entre os dois(Ken). Guite também chega a conhecer M. Bison, e descobre este ser uma grande ameaça para seu país, nisso, devota sua vida á caçar e impedir o vilão.

Poucos anos depois, como capitão, Guile era o oficial superior de Charlie Nash (Nash na versão japonesa), de quem ficou muito amigo. Pediu que ele lhe ensinasse seu estilo de luta singular, o que Charlie concordou e fez, ainda que o temperamento forte de Guile o impedisse de ter um controle de Ki tão preciso quanto o de Charlie, fazendo com que ele tivesse que usar 2 braços para lançar o Sonic Boom, enquanto Charlie usava apenas um.

 

  • E.Honda

ehonda

E. Honda treinou sua vida inteira para se tornar o maior lutador de sumô de todos os tempos. Ele recebeu o segundo título mais alto do Ōzeki. (Em algumas versões, afirma-se erroneamente que ele alcançou o título mais alto, Yokozuna.)

Honda ficou aborrecido pelo fato de que o resto do mundo não leva o sumô a sério, e jurou que provaria que os lutadores de sumô são os maiores lutadores do mundo.

A atitude "grande e avante" o torna poderoso e popular no circuito de luta de rua. Apesar do fato de ele já ser um lutador de nível mundial, Honda continua a treinar todos os dias. Gritando em um microfone preso a caixas de som enormes que perturbam os vizinhos, ele se vangloria sobre seu apertado calendário de treinos e lutas. Ele se vangloria, mas tem um lado suave nele que se diverte: pratos "nabeyaki udon" e banhos relaxantes. O estilo de luta de Honda inclui movimentos defensivos baseados em seus ataques de palmas poderosos e poderosos agarrões. O ataque tremendo que vem de suas enormes mãos podem atravessar a defesa de um oponente facilmente. Usando seus patenteados movimentos "Hundred Hand Slap" e "Super Head Butt", Honda pode atingir muito mais rápido que seus inimigos esperam. Sua constituição é tão lendária quanto seu ego.

Edmond Honda é conhecido pelo mundo como um lutador invencível do Japão que busca por desafios em qualquer lugar, a qualquer momento. Ele aspira mostrar ao mundo a verdadeira beleza e força da arte do sumô que ele meticulosamente se tornou mestre. Ele viaja para fora do país regularmente, sempre buscando oponentes formidáveis para se testar contra eles. Foi nesse empasse que conheceu Ryu, um jovem de talento que viajava pelo mundo em busca de oponentes poderosos. E. Honda desafiou Ryu, e apesar de dominar em parte a luta, perdeu. E. Honda e Ryu ficaram bons amigos e E. Honda se admirou da postura de Ryu, indagando ter conhecido poucos com tamanha devoção. os dois chegaram a se reencontrar mais algumas vezes.

 

  • Chun-li

chunli01ps7

Seu nome vem do mandarim, e significa "Bela flor da Primavera". No anime "Street Fighter II – The Animated Movie", deixa implícito que seu sobrenome seja "Li".

Chun-Li fez sua primeira aparição na versão original de Street Fighter II como uma das oito personagens selecionáveis e a única mulher do jogo. A história de Chun-Li se concentra em sua tentativa de vingar a morte de seu pai, um agente da polícia que desaparece enquanto investigava M. Bison. Em seu final, ela consegue se vingar e volta a viver como uma mulher comum. Em Super Street Fighter II, o jogador pode escolher se Chun-Li retornará a uma vida comum ou continuará sua carreira policial.

Chun-Li retorna em Street Fighter Alpha: Warriors’ Dreams, que ocorre antes de Street Fighter II. Ela é mostrada como uma agente da Interpol, investigando M. Bison e seu cartel.

Ela retorna em Street Fighter III: 3rd Strike. Já distante das lutas, se vê forçada a voltar quando uma de suas alunas é sequestrada por Urien.

Chun-Li aparece também em Street Fighter IV. A narrativa do jogo mostra que ela está indecisa sobre os caminhos de sua vida e acaba por retornar às lutas de rua e ao seu emprego anterior.

Na série Street Fighter EX, ela é uma policial que procura por seu pai desaparecido ao invés de buscar vingança por sua morte.

 

  • Sagat

sagat-cyclops

Sagat era um garoto (embora grande) alvo de provocações de outros garotos por ser de família miserável. Sagat decidiu que iria lutar Muay Thai e aproveitar seu grande corpo para se tornar o melhor de todos os lutadores.

Quando jovem, Sagat desafiou e venceu o lutador Nuah Kahn e se tornou o Imperador do Muay Thai, conseguindo se tornar um herói nacional. Alguns anos depois, ele defendeu seu título de um lutador de Muay Thai chamado Go Hibiki, na qual um golpe de Go atingiu o olho de Sagat, inutilizando-o permanentemente. Sagat, então, ficou furioso e aplicou uma série de golpes contra Go, inclusive o seu Tiger Genocide, vencendo Go, que terminou sendo levado ao hospital e morrendo meses após, devido a gravidade dos ferimentos. O porte físico de Sagat lembra muito o personagem Tong Po do filme Kickboxer – O Desafio do Dragão, do Jean Claude Van Damme.

Meses depois, Sagat encontrou um menino que tentava desafiá-lo e parecia estar destinado a uma vida de crimes. Para evitar isso, ele o tomou para si como discípulo e lhe ensinou o mais sobre o Muay Thai. Este garoto era conhecido como Adon, e apesar de se tornar um grande lutador, as pessoas o consideravam um clone mais fraco de Sagat, o que acabou criando um certo ressentimento por parte de Adon.

 

  • Balrog (Mike Bison)

balrog

Balrog foi um grande campeão de boxe. Ele foi banido de todas as ligas oficiais de pugilismo por ferir permanentemente seus oponentes e matar um deles, além de usar constantemente movimentos ilegais – especialmente cotoveladas, cabeçadas e até golpes abaixo da cintura dos oponentes. Balrog então juntou-se à organização criminosa Shadaloo, agindo no submundo, a mando do líder, o diabólico M. Bison.

Enquanto executava pequenas incumbências, Balrog matou o elefante de Dhalsim com um único Gigaton Punch (Soco Gigaton). Em uma missão, Balrog foi enviado para eliminar Birdie; embora não soubesse por que razão, Balrog foi assim mesmo. Birdie disse-lhe sobre o Psycho Drive, e Balrog concordou em ajudá-lo, pensando que ele poderia ganhar dinheiro com isso. Quando o Psycho Drive explodiu, Balrog percebeu que ele não tinha sido pago recentemente. Quando M. Bison foi morto por Akuma, a herança da Shadaloo foi transferida para o antigo combatente. Infelizmente, nada sobrou para Balrog. Após a queda da Shadaloo, o ex-boxer tornou-se não mais do que um vagabundo nas ruas de Las Vegas, ao menos até onde se sabe.

 

  • Vega

vega-street-fighter-24710

Vega nasceu em uma família privilegiada da Catalunha, na Espanha. Por razões desconhecidas, o status financeiro de sua família diminuiu, forçando a mãe de Vega contrair dívidas. Mais maduro, Vega estudou touradas, uma tradição cultural de seu país. Depois, ele foi para o Japão e aprendeu ninjutsu, um estilo que ele acreditava se adequar à sua graça e agilidade naturais. Juntando as touradas com o ninjutsu, Vega entrou em uma gaiola de combate de um circuito, e rapidamente se tornou um dos melhores lutadores. Um dia, enquanto lutava, o padrasto de Vega matou sua mãe, porém acabou assassinado pelo próprio Vega. O incidente afetou sua mente, e ele desenvolveu uma dupla personalidade: nobre e honrado durante o dia, e sádico assassino à noite.

Devido à natureza cruel de Vega, o líder criminoso conhecido como M. Bison recrutou Vega como um de seus guardas pessoais na Shadaloo, ao lado do ex-boxeador Balrog e do ex-rei do Muay Thai, Sagat. Vega cumpria suas missões de assassinato tão bem, que foi associado à Cammy e às Dolls, assassinas da Shadaloo. Apesar de sua capacidade de gerar combates ferozes e brutais, Vega não conseguiu proteger o projeto secreto de Bison, o Psycho Drive.

Não se sabe o que Vega tem feito desde a queda da Shadaloo, embora ele ainda continua a assumir o seu lado assassino. Seguindo a ordem cronológica, depois do jogo Super Street Fighter II Turbo, Vega não mais apareceu na série Street Fighter, realizando aparições apenas em jogos não-canônicos à série e também em jogos que, apesar de realizados após Super Street Fighter II Turbo, antecederam cronologicamente este jogo, jogos estes que pertencem à série Street Fighter Zero.

 

  • Bison

streetfighter_3mbisonvirgin

Sua primeira aparição, cronologicamente falando, foi em Street Fighter Alpha, como o chefe de uma organização militar criminosa conhecida como Shadaloo (シャドルー, Shadorū), apesar de algumas séries inspiradas em Street Fighter 2 e a aparência de Bison nos primeiros jogos do mesmo sugerirem um Bison antes da série Alpha. Juntamente com o seu desejo de conquista mundial, M. Bison trabalhava no aperfeiçoamento de uma energia letal que iria aumentar exponencialmente a sua capacidade durante combates, uma energia a qual ele refere-se como Psycho Power (Poder Psíquico). Durante os acontecimentos de Street Fighter Alpha, a existência da Shadaloo chegou ao conhecimento da Interpol, que enviou Chun-Li (que possui ódio contra Bison, que tinha assassinado seu pai) para frustrar os planos de Bison. Chun-Li e M. Bison eventualmente confrontaram-se e lutaram. M. Bison derrotou Chun-Li e em seguida fugiu em seu helicóptero, enquanto ela, chorando frustrada por sua vergonhosa derrota, prometia para si mesma destruir M. Bison da mesma maneira como ele matara seu pai, e planeja uma nova luta.

Durante os acontecimentos de Street Fighter Alpha (ou Street Fighter Alpha 2), M. Bison também entrou em conflito com Rose, uma misteriosa mulher que usa o chamado Soul Power, que é o "pólo oposto" do Psycho Power, podendo assim ser considerado no caso uma "versão corrompida" do Soul Power. Este fato, bem como o fato da procura de Rose objetivar parar toda e qualquer ação de M. Bison, destruindo com isso o Psycho Power, indicam a relação próxima entre os dois, que mais tarde viria a ser revelada em Street Fighter Alpha 3.

De acordo com sua biografia oficial, sua data de nascimento é desconhecida, sem mesmo ano ou local mencionados, embora uma fonte diga que ele nasceu em março de 1991. Essa data coincide com o lançamento de Street Fighter II, embora seja altamente improvável que 1991 seja seu ano de nascimento, tendo em vista que o tempo que durou a construção da Shadaloo, o que colocaria a série Street Fighter em meados de 2021. Ele na verdade renasceu num novo corpo por aquela época depois que seu antigo corpo fora destruído na série Zero.

 

 

Esses são os personagens que existem em praticamente todos os Street Fighter que são:

  • Cammy 

 Cammy_SF_IV__10[1]

Cammy é uma das assassinas de M. Bison. Ela foi criada para ser o corpo perfeito para M. Bison. Cammy era de uma unidade altamente treinada de assassinos da Shadaloo, composta por mais doze meninas, que foram raptadas e tiveram seu DNA alterado, conhecidas como "Dolls". Seu codinome era "Killer Bee".

Ao lutar contra Dhalsim a mando da Shadaloo, ele a deixou consciente, usando seu poder de yoga e meditação (isso aconteceu no jogo Street Fighter Zero 3). Com isso, Cammy percebeu que a Shadaloo lhe fazia lavagem cerebral para controlá-la. Em algum momento, após esse acontecimento, Vega, que foi mandado para espioná-la, a achou, e eles tiveram uma luta. Nesta luta, Cammy fala para Vega se afastar, pois não queria machucá-lo e Vega perde a luta propositalmente, revelando que ele foi mandado para matá-la, pois ela estava ficando consciente de seus atos, a lavagem cerebral estava perdendo efeito aos poucos. Ela fica sem entender, pois, nunca traiu a Shadaloo.

Mais tarde, enfrenta Juni e Juli, duas Dolls, que foram mandadas para matá-la. Na sua luta, ela consegue convencê-las, assim como as outras Dolls, de que todas estavam sendo manipuladas. Ao enfrentar M. Bison, ele revela seu verdadeiro propósito, que era ser seu próximo corpo, mas como ela já possuía sua própria mente, seria descartada. Todas as Dolls neste instante se viram para M. Bison, quase resultando na morte de todas. Ele diz que, caso morresse, todas as Dolls iriam morrer junto com ele e por isso elas jamais poderão sonhar em viverem como humanas.

Cammy sente M. Bison se rastejando em sua mente mas, ela se nega a dar-lhe ouvidos. Rapidamente, Cammy parte, junto com as outras Dolls, para o Psycho Drive para se salvarem. Chun-li, que estava na base para explodi-la, vê Cammy passando rapidamente, de relance. Ao chegar no Psycho Drive, Cammy começa a operá-lo, se sacrificando, para permitir que as outras Dolls continuem vivas, pois, elas não são míseras boneca e merecem viver.

Após isso, Cammy as transporta para fora da base, perdendo a consciência. Vega a põe no Psycho Drive e logo após, a retira da base, enquanto Chun-li, Guile e Charlie destroem a base.

Depois destes acontecimentos, Cammy acorda com amnésia, na porta da Delta Red, uma divisão do MI-6 especializada em anti-terrorismo, na Inglaterra. Ela fica na tropa e treina com eles durante 3 anos até o início do torneio Street Fighter 2.

Ela começa a se lembrar que, de alguma forma, M. Bison está ligado a seu passado. Ao encontrá-lo, M. Bison lhe revela que Cammy é seu clone e que ela tinha ordens de se infiltrar na base militar da Inglaterra, mas como perdeu a memória, foi deixada sem propósito. Cammy fica chocada com a revelação e seus parceiros da Delta Red a confortam, dizendo que o que vale é o futuro e não o passado. Cammy percebe que eles estão certos e parte junto com eles.

  • Thunder Hawk

thunder_hawk_sf

Quando Thunder Hawk era um bebê, ele e os membros da sua tribo, os Thunderfoot (literalmente, Pés-de-Trovão) estavam sendo forçados a saírem das suas terras pela Shadaloo. Alguns Thunderfoot resistiram e lutaram contra a Shadaloo. Muitos foram mortos, incluindo Arroyo Hawk (o pai de Thunder Hawk), que foi assassinado por um homem chamado M. Bison. Agora, os remanescentes dos Thunderfoot vivem no México, perto das planícies do Monte Albán. T. Hawk quer nada mais do que a sua vingança contra Bison, e ações para recuperar o terreno que foi tomado de seu povo.

Muitos membros dos Thunderfoot desapareceram após os eventos com a Shadaloo, e Thunder Hawk tinha de encontrá-los. Um deles se tornou Noembelu, uma das lutadoras que sofreu lavagem cerebral de Bison (como Cammy White sofreu). Ele descobriu Noembelu, mas não se sabe se ela voltou para casa com ele ou recuperou quaisquer memórias, perdidas ao se tornar uma Doll. Também não se sabe se Thunder Hawk encontrou mais alguém da sua tribo, mas o mais provável é que não, devido ao seu novo intento contra Bison.

T. Hawk entrou no segundo World Warrior para lutar contra Bison e recuperar o que é de seu povo. Ele não sai como o grande vencedor, mas consegue recuperar a terra, que agora se encontra vazia e com um ar desolador. Determinado, T. Hawk pretende trazer de volta os Thunderfoot e tornar a terra próspera outra vez.

  • Fei Long

fei-long1 

Fei Long é uma homenagem à lenda dos filmes de Kung Fu, Bruce Lee. Não só os dois se parecem e provêm da mesma cidade, mas também Fei Long imita os gritos de Lee em batalha, e é tão furioso e um lutador ágil. Além disso, Fei Long é chinês (especificamente Cantão, região de Hong Kong), sendo um dos primeiros caracteres baseados em Bruce Lee.

Fei Long, um jovem e talentoso ator de cinema, é o mestre do Hitenryū Kung Fu. Embora lutasse nas ruas para aprimorar suas habilidades, ele chamou a atenção de um diretor de cinema, que o transformou uma sensação internacional.

Ele fez uma série de filmes de ação até entrar no segundo torneio World Warrior. Então, Fei Long percebeu que, na verdade, coreografar seu estilo de luta não é bem o que gostaria de fazer em sua vida. O lutador deixou de lado a carreira cinematográfica e desapareceu nas ruas de Hong Kong.

  • Dee Jay

365468-retrato_dee_jay_large

Conhecido como "O Cometa Meridional", Dee Jay é um jovial kickboxer,que luta acompanhando o ritmo da música. Eventualmente, ele se tornou um astro da música, mas ainda teve tempo de entrar no segundo Torneio Mundial de Lutadores, em busca de novos ritmos para suas canções.

Dee Jay é alegre, e está sorrindo constantemente, fazendo o gesto do polegar para cima. Ele veste calças laranja com tiras amareladas onde se lê em branco "MAXIMUM", e luvas laranja. Seu corte de cabelo possui um "M" de maximum em cada lado da cabeça. Dee Jay é também visto no filme animado, usando um colar caribenho.

  • Akuma

akuma

Akuma (Japonês: アクマ, Aku: Mau; Ma: demônio. Logo, Akuma: Demônio mau), conhecido no Japão como Gouki (豪鬼, "espírito forte" ou "demônio forte"). Akuma é o irmão mais novo de Gouken. Ambos eram discípulos de um lutador chamado Goutetsu, o qual lhes ensinava uma arte marcial chamada Ansatsuken, conhecida como a Arte dos Punhos Assassinos. Esta arte envolvia golpes de outras artes marciais, como Karatê, Judô e Tae Kwon Do, e ainda incluía uma poderosa técnica secreta, chamada Shun Goku Satsu. O lutador que utilizasse tal técnica seria capaz de eliminar seu oponente instantaneamente, porém corria o risco de acabar com a própria vida. Por esse motivo o Shun Goku Satsu havia sido proibido e selado por muitas gerações. Ambicioso, Akuma tinha em mente que seus ancestrais, os quais selaram a técnica mortal, eram tolos e que um verdadeiro mestre faria qualquer coisa para vencer um combate. Seu grande sonho era tornar-se o maior lutador da arte Ansatsuken de todos os tempos.

Com o passar do tempo, Akuma separou-se de seu irmão e seu mestre para treinar sozinho em uma ilha. Lá ele se dedicou ao treino árduo e aprendeu os segredos de uma fonte de força maligna chamada Satsui no Hadou. Com o sucesso de seu treinamento e o domínio do poder Satsui no Hadou (algo como Intenção Assassina), o lutador perdeu todas as emoções, desenvolveu técnicas mortais e conseguiu poderes sobre-humanos – como o teletransporte Ashura Senkuu; e o mais importante: conseguiu dominar a técnica Shun Goku Satsu, tornando se enfim um psicopata.

Mais tarde, retornando à sua terra de origem, Akuma desafia seu mestre Goutetsu. Durante a luta, viu a chance de usar a técnica proibida e matou seu mestre, de quem ele tirou o colar que atualmente usa no pescoço. No dia seguinte o lutador vai até o dojo de seu irmão Gouken e o desafia para uma luta até a morte. Este havia se tornado mestre de dois talentosos jovens, Ryu e Ken, durante os anos em que Akuma se isolou. Akuma perde a primeira luta. Humilhado, pede ao irmão que o mate, mas Gouken se recusa a fazê-lo. Utilizando o pouco que restava de sua energia, Akuma aproveita um descuido de seu irmão e o mata também utilizando o Shun Goku Satsu. O clarão provocado pela técnica proibida chama a atenção de Ryu, que corre até o dojo. Ao encontrar seu mestre morto, sai furiosamente em busca do assassino e encontra Akuma não muito longe dali. Ele então desafia Akuma, mas é facilmente derrotado. Ryu prometeu que um dia derrotaria Akuma para vingar seu mestre.

Esses são os personagens principais que sempre aparecem nos Street Fighters, então para não deixar o post gigantesco eu vou colocar apenas os personagens mais estranhos que eu acho e o porque de achar isso, então segue a lista:

  • Rainbow Mika

mika

Rainbow Mika, nome artístico de Mika Nanakawa, é uma lutadora profissional de luta livre, treinada por Yoko Harmegeddon. Seu objetivo é tornar-se a "Estrela do Ringue". Para tentar conseguir isso, Mika decidiu que iria viajar pelo mundo e batalhar com lutadores de rua famosos antes mesmo de estrear oficialmente. Durante esse tempo, ela conheceu Zangief, que lhe deu inspiração para treinar duro, para a próxima vez que eles se encontrarem.

A Mika é um personagem totalmente perdido, sem começo meio ou fim, entrou no SF para lutar, grande gancho hein, tem um indicio de gancho para a história quando ela cita o Zangief mais tirando isso nunca aparece ela perto dele ou tentando ser rival dele… Muito Perdida a Rainbow Mika!

  • Cody

sf056street-fighter-cody-posters

Cody é personagem do jogo Super Street Fighter ele treina desde os nove anos de idade. Era considerado um garoto prodígio no seu dojô, embora sua índole não fosse das melhores, uma vez que muitas vezes jogava sujo para ganhar os combates, como jogar areia nos olhos do oponente, batia com ferramentas no adversário ou mesmo esconder uma faca em seu sapato para atacar oponentes desprevenidos com ela. Cody vive em Metro City, onde se juntou com Guy e Haggar para salvar sua namorada, Jessica, da gangue Mad Gear. Apesar da Capcom tratar pouco do motivo de sua prisão, simplesmente afirma que ele se metia em brigas e foi preso por isso Ele é um loiro, que usa roupa listrada de ladrão usa algemas sapato preto ele costuma andar na rua com essas roupas de ladrão. ele tem a mão enfaixada, pele clara e como na história ele joga pedras nos personagens e também lança faca.

Outro personagem sem começo meio ou fim, o estágio dele é dentro de um presidio, mais isso não quer dizer nada, ele não tem um gancho com o SF e sim com o Final Fight, Cody quanto Guy são personagem que de nada servem para a história do Street Fighter, os famosos tapa buracos…

  • Oro

533868-sf33_oro_large

Oro é um ermitão sennin que veio do Japão para o Brasil em 1900. Ele procura algum lutador que seja digno de herdar suas técnicas de luta. Luta com um braço amarrado pois é tão forte que pode matar acidentalmente seus oponentes (exceto quando executa artes especiais específicas). Vê Ryu como o único lutador digno de herdar sua técnica. É um dos personagens mais poderosos de toda a série, rivalizando com Akuma, Gen e Gouken.

O Oro é um anime personagem, luta com um braço amarrado porque ele é tão foda que pode matar qualquer um acidentalmente, mais engraçado que em termos de jogos ele só mata batendo e suga a mesma coisa o dano dele, entretanto ele se diz super fodão… Porque? Se fosse fodão não deveria ser o último chefe?

  • Hugo

SSFIV_Hugo

Hugo é um massivo profissional de luta livre da Alemanha. Hugo é baseado em Andore, personagem inimigo de Final Fight, sendo este modelado em homenagem a André the Giant. Como Andore, Hugo veste uma camisa rosa com pintas de leopardo, combinando com calças e cinto coloridos, Hugo e Andore são ditos como sendo a mesma pessoa, sendo assim Hugo Andore. Sua agente Poison, que aparece antes e depois da luta, também foi uma personagem inimiga do mesmo jogo. Hugo reapareceria posteriormente em SNK Vs Capcom: Chaos. Em Street Fighter, desenvolve uma rivalidade com Alex.

Em 2nd Impact, Hugo é o único personagem cujo oponente final não é fixo. Em adição a Gill, Hugo também pode lutar contra Ryu, Elena ou Necro. Ele forma dupla com o rival derrotado em seu final. Em seu final em 3rd Srike, Hugo lidera o "Grande Exército da Luta Livre" (Huge Wrestling Army), um time de luta livre profissional composto dele mesmo e todos os outros personagens de 3rd Strike.

O Hugo só é um personagem massa porque ele lembra o tipo do Andore do Final Fight, mais tirando isso é um verdadeiro lixo, o cara que inventou de colocar o Hugo poderia dizer que ele criou uma rivalidade com o Zangief por exemplo para saber quem é o mais forte, algo assim porque ele entrou no SF a troco de dar uns tapas, tirando isso nada mais justifica sua presença…

  • Doctrine Dark

ddarkhr

Nascido na Alemanha, Doctrine Dark, já serviu sob as ordens de Guile com sua unidade de reconhecimento especial tático. Durante uma missão, a sua própria unidade começou a ter brigas com uma unidade rival, liderada por Rolento. A briga evoluiu para uma verdadeira batalha, com ambos recebendo pesadas baixas. Doctrine Dark foi o único membro da sua unidade que escapou. No entanto, ficou gravemente ferido emocionalmente e fisicamente. Equipado com um aparelho respiratório portátil, ele finalmente escapou do hospital e entrou na clandestinidade, só para voltar a emergir como o louco assassino psicótico Doctrine Dark. Dark acredita que Guile tenha sido o responsável pelo massacre de sua unidade e pretende matá-lo. O estilo de luta de D. Dark pode ser comparável ao de Scorpion (Mortal Kombat), com um movimento que pega o adversário e pode arrastá-lo em um combo ou eletrificá-lo. Ele também faz uso de lâminas escondidas e explosivos.

O Doctrine Dark tem um gancho que poderia ter levado ele para os outros jogos da franquia SF, ele quer se vingar do Guile, ponto, não tem pra que continuar, mais o personagem foi totalmente esquecido em meio a poeira, e parece que foi mais um tapa buraco… Triste mais D. Dark era um personagem muito interessante.

  • Garuda

garuda_big

Garuda é um demônio vestido com uma armadura de samurai que empunha uma espada escondida dentro de seu próprio corpo. Ele é uma entidade não-humana, uma compilação de almas enlouquecidas por um acúmulo de sentimentos negativos como raiva, ódio, inveja, traição e desespero. Devido a isso, Garuda é também conhecido por ser fatal, mesmo sem tomar ação. Isto é devido à sua ondas cerebrais. Sua idade, a origem exata, e estilo de luta são desconhecidos. Como a maioria dos personagens da série EX, ele não tem ligação com qualquer um dos outros personagens. Garuda luta ferozmente, sendo um dos poucos personagens no jogo cujos ataques provocam grande sangramento, fato que foi removido na versão americana do jogo.

O Garuda não tem gancho nenhum, mais tem um plot legal, que poderia ter sido melhor trabalhado para que ele fosse um lutador do SF, mais colocaram ele também como tapa buraco, estranho que Garuda era um personagem bem jogado na época que o jogo saiu! Mais é por ai mesmo… Coadjuvante…

Bem galera é isso para sanar as nossas duvidas com relação aos personagens do Street Fighter que apareceram e sumiram, para não deixar muito longo peguei os mais bizarros mais depois eu posto o resto que ficou de fora, tem muito boneco que não entrou nessa mais que logo logo eu faço a segunda parte, quem sabe de outro jogo também de luta como Soul Calibur e a pergunta que ninguém sabe responder… “Que porra é o Voldo?”

É isso ai galera até outro post! Abraços a todos que acompanham o Anoitemaisdensa!

Abraços

Anti-Mentor

Vamos falar de Musica Nordestina?

Demorei um pouco para postar algo novo, mas estou aqui para falar um pouco de uma coisa que mudou muito a musica no Brasil em meados da década de 90 e que infelizmente não teve tanta abrangência quanto outros nomes…
Já ouviu falar de Maracatu, Coco, Ciranda ou Caboclinho? Não? São musicas de raiz do nordeste, principalmente do Recife, não que sejam exclusivamente do Recife mas que tiveram mais visualização lá!

Esse post vai ser um pouco extenso, então preparem-se!!

Começando por partes falarei um pouco do movimento musical e depois entrarei na idéia do movimento que eu vim falar o Movimento MangueBeat que revolucionou o modo de ver o nordeste, levando para o resto do país musicas de atitude com um leve toque do sertão brasileiro.

E a uma critica sobre a atual cena “rock” do Brasil…

Maracatu: (Vide Wikipédia)

Maracatu é uma manifestação cultural da música folclórica pernambucana afro-brasileira. É formada por uma percussão que acompanha um cortejo real. Como a maioria das manifestações populares do Brasil, é uma mistura das culturas indígena,africana e européia. Surgiu em meados do século XVIII. Foi criado para formar uma crítica as cortes portuguesas.

Alguns personagens que compõe o cortejo do Maracatu segundo a Wikipédia:

As personagens que compõem o cortejo são os seguintes:

  1. Porta-estandarte, que leva o estandarte; este contém, basicamente, o nome da agremiação, uma figura que o represente e o ano que foi criada.
  2. Dama do paço, mulher que leva em uma das mãos a CALUNGA(boneca de madeira, ricamente vestida e que simboliza uma entidade ou rainha já morta).
  3. Rei e rainha, as figuras mais importantes do cortejo, e é por sua coroação que tudo é feito.
  4. Vassalo, um escravo que leva o PALIO(guarda-sol que protege os reis).
  5. Figuras da corte: príncipes, ministros, embaixadores, etc.
  6. Damas da corte, senhoras ricas que não possuem título nobiliárquicos.
  7. Yabás, mais conhecidas como baianas, que são escravas.
  8. Batuqueiros, que animam o cortejo, tocando vários instrumentos, como caixas de guerra, alfaias (tambores), gonguê, xequerês, maracás, etc.

Algumas Imagens:

Coco (Dança) Segundo a Wikipédia:

O coco é um ritmo que vem da divisa de Alagoas com Pernambuco. O nome refere-se também à dança ao som deste ritmo.

Coco significa cabeça, de onde vêm as músicas, de letras simples. Com influência africana e indígena, é uma dança de roda acompanhada de cantoria e executada em pares, fileiras ou círculos durante festas populares do litoral e do sertão nordestino. Recebe várias nomenclaturas diferentes, como coco-de-roda, coco-de-embolada, coco-de-praia, coco-do-sertão, coco-de-umbigada, e ainda outros o nominam com o instrumento mais característico da região em que é desenvolvido, como coco-de-ganzá e coco de zambê. Cada grupo recria a dança e a transforma ao gosto da população local.

O som característico do coco vem de quatro instrumentos (ganzá, surdo, pandeiro e triângulo), mas o que marca mesmo a cadência desse ritmo é o repicar acelerado dos tamancos. A sandália de madeira é quase como um quinto instrumento, se duvidar, o mais importante deles. Além disso, a sonoridade é completada com as palmas.

Existe uma hipótese que o diz que o surgimento do coco se deu pela necessidade de concluir o piso das casas no interior, que antigamente era feito de barro. Existem também hipóteses que a dança surgiu nos engenhos ou nas comunidades de catadores de coco.

Algumas Imagens:

Caboclinhos segundo a Wikipédia:

Caboclinhos é uma dança folclórica executada durante o Carnaval, no Nordeste do Brasil, por grupos fantasiados de índios que, com vistosos cocares, adornos de pena na cinta e nos tornozelos, colares, representam cenas de caça e combate.

Os instrumentos musicais são a gaita (flauta de apito ou pífano), duas maracas de zinco ou flandre e um surdo (bombo)de zinco coberto com couro de bode em ambos os lados.

As preacas são instrumentos de marcação em forma de arco e flecha, produzindo um som seco, em harmonia com o surdo; também o apito para os caboclos de frente, que puxam o cordão, tanto dos homens como das mulheres.

Os ritmos são o perré (ou toré), guerra e baião, sendo o primeiro mais lento.

A dança é forte e rápida, exigindo destreza e desenvoltura dos participantes. Há passos em que se dança agachado, baixando-se e levantando-se rapidamente e ao mesmo tempo rodopiando, apoiando-se nas pontas dos pés e calcanhares, exigindo muita resistência física.

Os personagens do caboclinhos são:

  • Cacique e "cacica" (ou mãe da tribo), ambos usando tanga e saiote de plumas ou penas;
  • Porta-estandarte;
  • Conjunto de três tocadores (gaita, maracas e surdo);
  • Cordões (filas indianas) de caboclos e caboclas;
  • Grupo de crianças ou "curumins" (do tupi kuru´mi, menino).

Algumas Imagens:

Pronto agora que eu falei um pouco de alguns ritmos do nordeste, vamos ao que realmente importa, já ouviu falar do movimento Manguebeat? O movimento que nasceu em meados da década de 90, com bandas como Chico Science e Nação Zumbi, Mundo Livre S/A, Mestre Ambrósio entre outras.

Mas qual é o papo do Movimento?

Segundo a Wikipédia o Manguebeat:

Manguebeat (também grafado como manguebit ou mangue beat) é um movimento musical que surgiu no Brasil na década de 90 em Recife que mistura ritmos regionais, como o maracatu, com rock, hip hop e música eletrônica.

Esse estilo tem como ícone o músico Chico Science, ex-vocalista, já falecido, da banda Chico Science e Nação Zumbi, idealizador do rótulo mangue e principal divulgador das idéias, ritmos e contestações do Manguebeat. Outro grande responsável pelo crescimento desse movimento foi Fred 04, vocalista da banda Mundo Livre S/A e autor do primeiro manifesto do Mangue de 1992, intitulado "Caranguejos com cérebro".

O objetivo do movimento surgiu de uma metáfora idealizada por Zero Quatro, ao trabalhar em vídeos ecológicos. Como o mangue é o ecossistema biologicamente mais rico do planeta, o Manguebeat precisava formar uma cena musical tão rica e diversificada como os manguezais. Devido a principal bandeira do mangue ser a diversidade, a agitação na música contaminou outras formas de expressão culturais como o cinema, a moda e as artes plásticas. O Manguebeat influenciou muitas bandas de Pernambuco e do Brasil, sendo o principal motor para Recife voltar a ser um centro musical, e permanecer com esse título até o momento.

Tá e ae? O que isso vem a adicionar a nossas vidas? Tudo! Oras, vivemos em um país de misturas, onde cada região tem sua parcela de regionalidade aflorada, aqui no norte, mas precisamente em Macapá eu não vejo nenhuma banda se interessando por usar instrumentos de musicas regionais, como o Batuque do Marabaixo, mas enfim eu sou de Fortaleza e sempre me interessei por outros tipos de costumes e formas de cultura. Nisso comecei a conhecer bandas como Nação Zumbi, Mestre Ambrósio, Sheik Tosado, que são bandas com letras muito fortes, com uma batida alucinante e que traziam em seus riffs pequenos detalhes de musica regional o que é sensacional.

chico-Science

Em 1997 morre de acidente de carro, Chico Science um dos maiores nomes do Movimento Manguebeats, uma perda para o Brasil que acredito que nunca mais poderemos ter mente igual na musica, vide situação atual que vivemos com bandas que nada acrescentam e não mostram nada a essa nova juventude.

Chico deixou um legado na música que é lembrado até hoje, mesmo não tendo sido tão lembrado pela mídia quanto a morte dos Mamonas Assassinas, mas no nordeste, muitas tribos diferentes comemoram em forma de tributo o legado que Chico ajudou a criar e difundir.

Mostrando que o Nordestino tem uma cultura rica em todos os aspectos diferentemente do que citam as outras regiões do país. Lembro que quando morei em São Paulo, ao comentar que eu morava em Macapá as pessoas se assustavam com isso diziam que aqui viviam pessoas em casas que ficavam em árvores, que nós criávamos onças e etc. Ao comentar que eu havia nascido no Nordeste foi outra “brincadeira”, mas fica pior as pessoas não se dão ao trabalho de conhecer uma cultura, nem o que ela possui a oferecer simplesmente por um conceito pré concebido totalmente idiota de que todo nordestino é um gabiru.

Abaixo vou deixar alguns vídeos das bandas de renome do movimento Manguebeats, para que todos possam ouvir e conhecer um pouco, sei que já faz muito tempo que não se ouve falar pois a maioria das bandas já acabou mas mesmo assim é sempre bom adicionar informação, mesmo que seja deforma “atrasada” porque informação nunca é tardia e sim complementada.

Chico Science e Nação Zumbi – Maracatu Atômico

No bico do beija-flor, beija-flor, beija-flor
Toda fauna-flora grita de amor
Quem segura o porta-estandarte
Tem a arte, tem a arte
E aqui passa com raça eletrônico maracatu atômico
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê
Atrás do arranha-céu tem o céu tem o céu
E depois tem outro céu sem estrelas
Em cima do guarda-chuva, tem a chuva tem a chuva,
Que tem gotas tão lindas que até dá vontade de comê-las
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
No meio da couve-flor tem a flor, tem a flor,
Que além de ser uma flor tem sabor
Dentro do porta-luva tem a luva, tem a luva
Que alguém de unhas tão negras e tão afiadas esqueceu de pôr
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
No fundo do para-raio tem o raio, tem o raio,
Que caiu da nuvem negra do temporal
Todo quadro negro é todo negro é todo negro
Que eu escrevo seu nome nele só pra demonstrar o meu apego
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
No bico do beija-flor, beija-flor, beija-flor,
Toda fauna flora grita de amor
Quem segura o porta-estandarte
Tem a arte, tem a arte
E aqui passa com raça eletrônico maracatu atômico
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê…

Sheik Tosado – Repente Envenenado

Eu sou apenas um pedaço do universo
e tô aqui cantando verso para você se amarrar
O povo todo só pensava no progresso
E esqueceu que o resto ainda está pra começar
Sol levantou, Brasil acordou
Ficha na vitrola que é pra tocar na caixola
Sons que são vitrine irresistível
De um país marcado e de corpo caído
Se o meu canto é forte dou um eco no país
Brasil swing, sangue por aqui
Conceito armorial
A vida se torna algo experimental
Dentro do click e sem sair do tempo
Fazendo batuque, sampleando o que não penso
Palavras vulgares de uma língua chula
Corrupção, contravenção, desfalque, entretenimento
Ei menino o papangú
quer te pegar

Mundo Livre S/a – Samba Esquema Noise

A felicidade como a morte
É como um concurso milionário da Tv
Existe um globo infinito
Com bilhões de bolinhas
Girando
Em algum lugar
A cada instante uma deusa
Retira um número
Que pode ser o meu
Dá pra entender?
Por isso,
Nada de pudores
Dá pra entender?
Ou você explora o próximo
Ou o próximo é você
Esta é a única moral
Do mundo
Dá pra entender?
A felicidade como a morte
É como um concurso milionário da Tv
Existe um globo infinito
Com bilhões de bolinhas girando em algum lugar
Dá pra entender?
A cada instante uma deusa retira um número
Que pode ser o meu
Por isso nada de pudores
Dá pra entender?
Ou você explora o próximo
Ou o próximo é você
Esta é a única e verdadeira moral no mundo horrível
Dá pra entender?
Passei na cidade
Girando em algum lugar

Mestre Ambrósio – Coqueiros

O vento balança
os coqueiros
que moram (dançam)
na beira do mar !
Traz de volta
meu amor,
coqueiro,
ele foi viajar !
Bem pra lá
defronte,
no horizonte
onde o mar se perdeu !
Onde a curva da curva
do mundo
fez a curva
e o dia nasceu !
E já, já volta !
Vem chegando
Pro dia nascer !
E já, já volta !
Onde danço
com o vento
e você !

Bem coloquei as letras embaixo para poder acompanhar e ver o nível que as letras tinham e fazer a velha comparação do antigo rock com o rock atual, que é composto por essa felicidade toda, esquecendo que o estilo é baseado em atitude, com formas diferentes de expressar o pensamento, seja ele religioso, politico ou qualquer que seja.

O rock deve voltar a ser o que um dia foi, porque estamos perdidos em um mundo onde a “felicidade” contagia a todos, não para o bem, e sim para poder fazer o melhor para o da MTV! A emissora que mais divulga o trabalho dessas bandas porcarias que acreditam que cabelos, roupas coloridas e falar de formas diferentes da “cornitude” que já passaram é um reflexo da atual geração…

Vamos voltar as raízes do velho rock e trazer a tona letras politicas como o rock nacional, com atitude como o Brasil produziu, e o mais importante, vamos procurar bandas com conteúdo, na música é um dos mais importantes fatores! O Conteúdo!

Obrigado por ler!

Abraços

Anti – Mentor

O Cinema e o Terror.

Demorei um pouco, mas estou de volta! o/

Ontem, ou Hoje? Já havia passado da meia – noite, mas enfim vamos ao assunto, o Domingo Maior foi marcado por um clássico Indiana Jones, é um filme legal um clássico dentre os clássicos. Porém o que realmente me chamou a atenção foi o filme que passou na Sessão de Gala se não me engano o também clássico do gênero de terror Brinquedo Assassino 3! Nossa quando eu vi a imagem do boneco pensei puta merda um filme palha pra terminar a noite… Mas me aventurei e assisti boa parte do filme antes que o sono me derruba-se totalmente…

brinquedo assassino

Começando o post de hoje vou falar um pouco desse gênero bem interessante do cinema, o Terror, como ele veio mudando aos longo de mais de 20 anos assustando pessoas ao redor do mundo. Entretanto não vou discorrer o quanto o terror é assombroso ou falar dos filmes mais fodas que já saíram e meter o pau no que tem aparecido, mas proponho uma discussão, sobre o antigo e o novo. Porque hoje o terror já não é mais visto com os olhos de assustar?

Como citei acima ontem a noite assisti na Sessão de Gala o filme Brinquedo Assassino 3, e durante várias partes do filme me via pego em um misto de “eu sei o que vai acontecer porque já conheço o filme” e ao mesmo tempo a sensação de que aquilo vai acabar me assustando, mas não pelas mortes em si, e sim pelo modo como tudo foi construído ao redor do ícone Chuck, na cena que ele aparece com uma faca atrás do personagem principal a trilha sonora ajuda o filme a deixa-ló com mais cara de terror, não só pela força do que acontece, mas pelos sons, existe uma corrente psicológica se não me engano que diz que se você deixar uma pessoa no escuro e apenas simular barulhos de bombas, tiro etc.. ela é capaz de sentir o que está acontecendo mesmo sem ter nada no local.

Então vamos falar de alguns clássicos e como eles tinham o poder de aterrorizar a todos e depois contraponho com os novos que tenho visto…

Começando pelo O Exorcista

O-EXOR~1
A história é básica uma guria é possuída pelo demônio e começa a tacar o terror dentro da própria casa, a mãe assustada chama um padre que já havia feito um exorcismo e ele tenta conversar e tirar o cramunhão de dentro da menina.
O filme é de 1973, dirigido por Willian Friedkin, que mostrou saber bem como fazer o misto entre trilha sonora e cenas fortes, claro o filme muitas vezes, como quando a menina começa a se masturbar com o crucifixo, ou quando ela desce a escada fazendo um ponte! Nossa essa cena é foda demais! Entretanto ainda acredito que a melhor seja a cena da cabeça girando!
O clima com pouca luz e musica instrumental forte, leva o expectador direto para dentro da trama do filme, fazendo com que ele se torne parte integrante do filme.

 

O Silêncio dos Inocentes

o-silencio-dos-inocentes
Nesse filme a parada é um pouco mais forte, Haniball Lecter, um ex-psiquiatra ajuda a mocinha a desvendar o caso de um serial killer que vem matando apenas mulheres e deixando uma borboleta dentro do corpo de cada uma, durante o filme descobre-se que o Dr. Haniball Lecter é um canibal (realmente não recordo se foi nesse filme que aparece ele comendo cérebro dentro de uma frigideira), depois de ajudar a mocinha a solucionar o caso o psiquiatra acaba fazendo a sua fuga de forma espetacular. O clima de suspense policial ajuda a criar toda uma envolvente aura em torno do filme, cenas como a que a detetive do FBI descobre que o serial killer queria fazer uma segunda pele de mulher para ele ou então quando Hannibal é transportado usando uma mascara para que não pudesse morder ninguém também marcaram uma época, não existe quem tenha mais de 20 anos e não lembre dessas cenas.

Sexta Feira 13

Sexta feira 13 parte I

A história é bem básica, Jason Voorhees nasceu em 13 de junho de 1946, uma sexta-feira. Tem 1,86 m de altura. Filho de Pamela Voorhees e Elias Voorhees, todos pensaram que o menino com problemas mentais havia morrido afogado no lago Crystal, em 1957.
Sua mãe, que trabalhava no acampamento como cozinheira, teve um surto e trucidou os monitores e demais adolescentes que estavam no camping, alegando que teriam negligenciado os cuidados com o garoto.
Uma garota, porém, consegue debelar a sua sanha homicida, decapitando-a com um facão. Contudo, o finado Jason ressurge para vingar a morte de sua mãe e passa a fazer o seu papel de homicida nos demais filmes da série.
Aqui o que importa não é bem a trilha sonora ou o quanto sangue pode sair da tela, mas o modo como tudo acontece a galera corre corre e o Jason sempre aparece e mata geral, não importando o que ele tenha em mãos acredite ele mata. Os primeiros filmes são muito bons aquele clima de filme velho ajuda muito também, as vezes até mesmo o desespero das pessoas que vão morrer são sentidos pelo expectador.

Para não me alongar vou parar por aqui se não vou passar o resto do dia escrevendo e depois ainda vou ouvir falar que faltou esse filme e aquele, enfim, vamos aos filmes de terror de 2000 para cá.

Evocando Espíritos

evocando espiritos

A Sinopse: Quando um dos filhos do casal Campbell é diagnosticado com câncer toda a família tem que mudar para uma casa mais perto da clinica onde Matt fará seu tratamento. À medida que o tempo passa o comportamento do rapaz muda radicalmente e todos passam a presenciar várias atividades sobrenaturais na casa. Pesquisando o passado dos moradores da casa eles descobrem que a casa foi um centro pagão que procurava muito mais que contatos com espíritos. Agora sob constante pressão eles terão que responder a pergunta: – por que eles ainda estão entre nós? Baseado em fatos reais esta história nos levará a acreditar no inacreditável!

Agora vamos ao filme em si, algumas coisas são bem interessantes como o médico que fazia runas no corpo dos mortos e depois os concretava na parede da casa para que eles ficasse presos a mesma. Até ai tudo bem o plot principal é bem legal, mas quando o filme começa a debandar para um lado mais “estranho” para não dizer cômico é que a parada fica tensa, parafraseando o Khan “Quando a menina ta deitada e olha embaixo da cama ela vê um espirito ela grita depois senta na cama e volta a fazer o que fazia normalmente…” Realmente isso é foda! Tirando o plot o filme termina ai, com algumas musicas do estilo New Metal como Slipknot, Korn e etc., nada de inovação nada de legal nada demais.

PS: As bandas citadas são conhecidas no estilo, então não sei se elas fazem parte do casting de produção da trilha sonora.

Jogos Mortais (Saw)

saw

Filmado em 2004 e com vários problemas de orçamento o filme foi lançado de qualquer forma, e teve uma enorme recepção pelos fãs do gênero. Considerado tão bom quando Seven (Sete Pecados). O Plot geral do filme é quando dois homens um médico e um fotografo são encontrados dentro de um banheiro trancados e presos a correntes que terminavam em canos de ferro, dentro do cômodo ainda havia um corpo de um homem aparentemente morto no chão. Então começa o terror, pois em alguns minutos os mesmo encontram serra de cano e um martelo (se não me engano), os dois assistem a uma tv onde JigSaw revela que as famílias de ambos podem morrer.

Com isso uma trama começa a se tecer, pois algumas coisas são encontradas dentro de bolsos ou em partes do banheiro que mostram que um tem que matar o outro e apenas um pode sobreviver, com uma trilha sonora excelente o filme vale cada segundo, intenso, brilhante e realmente um bom terror dos anos 2000.

PS: Eu não curti as continuações apenas o primeiro e a cena das seringas do II que valem pra mim).

Premonição (Final Destination)

16000-2009-06-01-17_43_27_1

Lançado no mercado em 2000 o filme traz um terror suspense de quinta, vamos ao plot principal. Um rapaz vai viajar e tem um sonho onde o avião vai cair, ele faz um escândalo dentro do avião e ele e seus amigos são expulsos do vôo, nisso quando eles estão olhando a decolagem o avião explode e todos começam a desconfiar que o rapaz plantou uma bomba dentro do avião, e o filme começa. Ao maior estilo Tom e Jerry as mortes acontecem, o guri lança uma revista onde tinha o nome de um dos “amigos” dele, ela bate em uma ventoinha e rasga tudo, ai ele recupera um pedaço e tá lá escrito o nome do próximo, e ele morre. Então ele começa a ver quem estava sentado perto dele no vôo e faz uma lista de quem pode morrer e a ordem, nisso todo mundo chega a morrer sobrando só ele que escapa da morte.

Em resumo, um filme de adolescentes que tentam driblar a morte. Entretanto sem sucesso. A trilha sonora é fraca, com musicas nada haver com o filme, também com um roteiro/plot assim quem ia querer compor uma trilha sonora decente?

 

Para terminar o ano de 2000 vou falar de um filme que um amigo meu falou… o tal do Centopéia Humana

Human Centipede

O que esperar de um filme com esse nome?

O plot? Senti o drama da Sinopse: O filme conta a historia de um médico alemão que seqüestra três turistas e os une cirurgicamente, boca ligada ao ânus, formando a centopéia humana. Com o sucesso da operação, o medico começa a treinar a centopéia, enquanto tenta esconde-lá do resto do mundo.

Puta que pariu que coisa mais ridícula é essa? Vi o trailer nada de novo apenas o básico, duas gostosas estão andando de carro quando o mesmo falha, no momento em que elas estão passando por dentro de uma floresta (Nossa que coisa nova), então o gelo seco começa a subir e elas encontram a casa de um homem que literalmente mora no meio do NADA, ele deixa que elas entrem e diz que de manha consertaria o carro delas! Puta merda mais clichê logo isso… Então ai começa o “terror” quando as mesmas acordam presas a uma maca com um homem que também está preso, o médico que por default de vilão maléfico fala todo o plano de fazer a centopéia e uma hora o mesmo besta e uma delas consegue fugir, com machados nas mãos elas tentam a todo custo fugir do médico, mas como tudo terror elas não conseguem e ele consegue realizar a façanha de criar a monstruosidade a Centopéia Humana…

Mas vamos dá um desconto né! O filme é holandês (nada contra adoro Laranja Mecânica) mas no lugar onde boa parte do tudo é liberada então o que poderíamos esperar?

 

É isso ai galera!

Até a próxima! Abraços

Anti-Mentor

Aproximando…

Havia escrito uma crônica nova, mas o computador aqui do meu trabalho resolveu travar e como eu não tinha salvado o material acabei perdendo-o. De casa faço uma nova postagem, estou fazendo o post de hoje para avisar sobre uma reportagem que eu estou preparando e que vou postar aqui no blog, até agora dividi em 4 partes mas acho que vou acabar indo até a sexta parte, mas enfim o titulo será:

MODIFICAÇÕES CORPORAIS

Para o post não passar em branco vou deixar escrever um pouco sobre um assunto que eu estava a muito tempo querendo discutir com alguém:

O Antigo vs O Novo

ac-dc

Alguém já ouviu falar de AC/DC? Claro os australianos do AC/DC formado pelos irmãos Angus e Malcom Young, trazem um Rock n Roll dos antigos de forma intensamente foda, passaram por um hiato de 8 anos e voltaram com o álbum Black in Ice que é  totalmente ligado as raízes da banda, nunca fugindo do assunto inicial que é o Rock n Roll que eles fazem.

acdc

Durante uma entrevista sobre o álbum Black in Ice o guitarrista Angus Young foi acometido por uma pergunta que dizia, que o AC/DC lançou mais um álbum que era nada mais do que mais do mesmo, pois possuíam faixas iguais aos antigos, e ele respondeu:

“Eu nunca lancei 14 álbuns eu vivo a 14 anos fazendo um álbum”

Depois do lançamento do Black In Ice o AC/DC voltou ao top das paradas de sucesso e começou a ser novamente conhecido por novos e antigos fãs.

Airbourne

Alguém já ouviu falar de Airbourne? Sim os australianos também, esses já são bem menos conhecidos que o AC/DC mas fazem um som muito próximo dos conterrâneos, a banda apostou em um som coeso e forte, com musicas que não se limitavam a um assunto em si, e em como poderiam fazer daquilo um modo de vida. O Rock n Roll da década de 70 vivido por Kiss, Motorhead ou AC/DC pode ser sentido nas musicas do Airbourne, só que a banda é recente tendo apenas 2 álbuns nas costas e com muito potencial.

Airbourne2

Um dia desses navegando pela internet li algo falando do Airbourne, falando que eles plagiam o estilo do AC/DC, bem ninguém se veste de colegial apenas Angus Young, a sonoridade é próxima e de fácil percepção, mas me faço a pergunta, porque apostar em uma formula nova enquanto uma que existe desde a década 70 ainda está “ganhando”? Se o AC/DC não fosse tão bom sonoramente falando eles estariam pobres e putos tentando refazer álbuns e gravar musicas conceituais (vide as bandas nacionais).

Hora o som não é bom? Porque mudar, claro tem bandas que apostam em uma nova sonoridade e conseguem fazer um bom sucesso mas outras não, essa semana vi em um blog sobre os dois álbuns de uma banda chamada The Agonist, uma nova mistura um death metalcore, de inicio um som interessante, mas depois começa a ser repetitivo e chato, o rotulo não combina e muito menos é bom, algo tipo o New Metal, um negocio estranho com som diferente e que não lembra nada, sem agregar novos valores apenas tentando ser diferente dos demais.

agonist

Os críticos musicais de hoje em dia são paradoxais demais, hora dizem que a musica precisa de novos “sons”, com alicerces diferentes mas criticam o novo dizendo que misturam o novo com o velho e acabam enfiando os pés pelas mãos. Estranho isso!

Para terminar duas letras fodas para vocês curtirem:

Blackjack
Airbourne

Rollin’ the dice
Never thinkin’ twice
She took my breath away
And now it’s time to pay
I got all my money on thirteen black tonite
Yeah she’s a sweet senorita a real man eater
She ain’t gonna let me get home alive
Blackjack
She’s a hell of a thrill
Blackjack
She’s makin’ a kill
Fever runnin’ high
Got aces in my eyes
She’s got somethin’ up her sleeve
As I watch my chips bleed
I got all my money on thirteen black tonite
Yeah she’s a sweet senorita a real man eater
She ain’t gonna let me get home alive
Blackjack
She’s a hell of a thrill
Blackjack
She’s makin’ a kill
She’s a hell of a thrill
She’s makin’ a kill
She’s a hell of a thrill
She’s makin’ a kill
Blackjack
She’s a hell of a thrill
She’s makin’ a kill
She’s a hell of a thrill
She’s makin’ a kill
Blackjack
She’s a hell of a thrill
Blackjack
She’s makin’ a kill
Blackjack

 

Highway to Hell
AC/DC

Living easy, livin’ free
Season ticket, on a one,way ride
Asking nothing, leave me be
Taking everything in my stride
Don’t need reason, don’t need rhyme
Ain’t nothing I would rather do
Going down, party time
My friends are gonna be there too
I’m on the highway to hell
Highway to hell
On the highway to hell
I’m on the Highway to hell
No stop signs, speedin’ limit
Nobody’s gonna slow me down
Like a wheel, gonna spin it
Nobody’s gonna mess me ‘round
Hey Satan! Paid my dues
Playin’ in a rockin’ band
Hey Mama!Look at me
I’m on my way to the promise land.Uau!
I’m on the highway to hell
Highway to hell
On the highway to hell
I’m on the highway to hell
Don’t stop me
I’m on the highway to hell
I’m on the highway to hell
I’m on the highway to hell
On the Highway to hell
Highway to hell
I’m on the Highway to hell
On highway to hell
I’m on the highway to hell
And I’m going down all the way
I’m on the highway to hell

Links: http://www.vagalume.com.br/ac-dc/highway-to-the-hell.html

Links: http://www.vagalume.com.br/airbourne/blackjack.html

Algumas fotos da reportagem que vem por ai! Aguardem!! =D

Abraços.

Vídeo Game uma diversão ou uma forma de trabalho?

Vídeo Game uma diversão ou uma forma de trabalho?

Lembro que quando comecei a jogar vídeo game tudo era uma coisa divertida, passava horas tentando debulhar todo o River Raid riverraid  , ou então os jogos do Sonic, sonic2-01  dos quais você não precisa ter uma boa jogabilidade e sim ter olhos atentos por causa da velocidade do jogo, enfim passava horas me divertindo, me irritando por um determinado chefe me matar diversas vezes seguidas e afins…

Hoje em dia vejo o quando certos jogos eram difíceis e como eu conseguia ganhar por mais que a idade passe você sempre se vê apanhando daquele chefe que te bate mesmo quando se está defendendo ou quando não existe a possibilidade de te bater ele faz uma jogada normal e você perde!

Puta que pariu!

Quem nunca passou horas quebrando a cabeça jogando Flashback? images  Ou Prince of Persia de Snes? Prince%20Of%20Persia_00000  Ou tentando catar todas as Dk coins em Donkey Kong 2? donkey-kong-2-wii  Nossa eram muitas horas divertidas mesmo.

E hoje o que temos? Jogos com puta gráficos, onde a inteligência artificial é razoável e eles são bem curtos, porque isso? Porque não temos mais tempo para ficar o dia todo jogando e se quebrando para passar de uma fase. Jogos como God of War mesmo sendo curto ainda é um jogo que eu curto muito, a temática é envolvente o jogo começa tem meio e fim em cada “episódio” da saga de Kratos. Mas jogos como Prince of Persia onde você não morre, porque uma mulher sempre te salva! Qual a graça? Qual a moral de jogar isso?

060022

Mas esse realmente não é o ponto que eu gostaria de chegar, e sim que, hoje em dia os vídeo games está trazendo novas tecnologias para agregar valores diferentes e não de simples jogatinas ou de diversão como antigamente, vamos pegar essa ultima geração e analisar um pouco:

Nintendo Wii:

wii

O novo console da Nintendo é o mais fraco em termos de gráficos se comparado com seus “rivais” X-box 360 e o Playstation 3, mas em contra partida trouxe uma interação jogador – a – jogador que foi revolucionaria a questão do joystick, que torna mais divertida as partidas. Muitos acessórios também acoplados fizeram o console ganhar fama, como o volante que acompanha o jogo Mario Kart, acoplando uma parte do controle ao centro do volante você pode jogar sem problemas, outro acessório que me chamou bastante a atenção foi o wii fit, wii_fit_box_back

um jogo que acompanha o Wii Balance Board, uma espécie de balança que calcula o Índice de Massa Corporal (IMC) do jogador e sua altura, o jogo apresenta mais de 50 tipos diferentes de exercícios, como Yoga, Treinamento Muscular, Aeróbico e Jogos de Equilíbrio.

O console também é muito utilizado por fisioterapeutas como modo de estimular as pessoas a melhorar a sessões de fisioterapia. Aplicação na fisioterapia “Devido a sensores poderem captar o movimento inteiro do corpo do jogador, algumas entidades e profissionais de fisioterapia estão utilizando o Wii Fit como objetivo de estimular e conceder uma maior motivação de movimento aos seus pacientes.

Em destaque:

  • Clínica do Movimento, Portugal.
  • Seacroft Hospital em Leeds, Inglaterra;
  • Dodd Hall Rehabilitation Hospital, Ohio;
  • Universidade Cidade de São Paulo (Unicid), Brasil;
  • FisioGames, Brasil”

Certo para o próximo ponto:

simpsons_xbox360

O X-box 360, o tão falado console da Microsoft, o x-box 360 veio na sua primeira versão fazer frente ao Playstation 2 que era o vídeo game mais vendido do mundo na época, bem mais que o Game Cube (apesar desse ser muito divertido também), e em sua segunda versão o seu hardware foi modificado tornando o vídeo game mais um computador que um vídeo game.

A microsoft fez porque fez por onde ter acesso as maiores house games, como Capcom, Atari entre outras para que as mesmas fizessem jogos para seu console, e deu continuidade a jogos que antes eram exclusivos do x-box, como Halo, Gear of War e etc, então tivemos o lançamento do novo Halo como o jogo mais aguardado do ano, com diálogos e legendas em português, outro jogo exclusivo é o Gear of War II, muito bom também, até mesmo a Square que fabricava os jogos da série Final Fantasy exclusivamente para a Sony produziu o Final Fantasy XIII para o x-box, claro com dinheiro até eu faria.

E recentemente eu conheci uma tecnologia que já existe a muito tempo só que como nada se cria tudo se copia eu notei alguns detalhes diferentes, e apresento a quem não conhece e a quem conhece um pouco de informação do Projeto Natal ou Kinect da Microsoft para quem não sabe do que se trata: “

250px-Kinect_Sensor_at_E3_2010_(front)

O Project Natal (ou Kinect nome definitivo) é o codinome de um projeto encabeçado pela Microsoft para seu console de videogame de última geração Xbox 360, que tem ainda como colaboradores Steven Spielberg e a empresa israelense 3DV Systems. O projeto visa criar uma nova tecnologia capaz de permitir aos jogadores interagir com os jogos eletrônicos sem a necessidade de ter em mãos um controle/joystick, inovando no campo da jogabilidade, já bastante destacado pelas alterações trazidas pelo console Wii, da Nintendo.

Funcionamento

Há duas câmeras: uma RGB, que reconhece o rosto e exibe vídeos, e outra infravermelha (IR), para reconhecer movimento e profundidade. Por que uma câmera IR? O olho não vê a luz infravermelha. E quando se combina uma câmera IR com um emissor IR (que faz parte do Natal), a sala fica inundada com um espectro de luz invisível que funciona até no escuro. O Natal também possui um sistema de processamento interno para lidar com a quantidade não especificada de trabalho em reconhecer imagem e voz de forma inteligente. Ele divide o corpo humano em 48 pontos, identificados em tempo real, e ele reconhece o corpo todo no espaço-Z — ou seja, o Natal têm noção de profundidade. De fato, num mapa de calor (heatmap) que mensurava profundidade, minhas mãos pareciam mais quentes que meus ombros, porque elas estavam mais perto do aparelho. O Natal é tão esperto que, se sua sala tiver dois sofás que limitem o espaço de jogo, ele envia um sinal ao jogo para estreitar o espaço. Ele consegue reconhecer uma dimensão de 38 por 51 centímetros da sala, de acordo com estimativas informais do líder do Project Natal, Kudo Tsunoda.

Sensor

O sensor do Project Natal tem cerca de 23 cm de comprimento horizontal. A eficiência do equipamento permite que este funcione em ambientes de ate 2.7 metros de altura e 4 metros de profundidade, descartando condições como a iluminação. Seu software é ajustável e se calibra para reconhecer objetos e diferenciá-los de pessoas.

Próximo passo:

Playstation 3

14_mvg_tec_playstation3

Acredito eu que esse seja o mais potente console da nova geração, com gráficos absurdos o Ps3 vem tomando cada vez mais espaço no ocidente e garantindo seu lugar ao sol. Diferente do Ps1 e do Ps2 o novo console não permite destravamentos como o Matrix e gravações de jogos em dvds. Tornando assim o seu sistema mais filho da puta sério contra a pirataria.

Mas nessa nova geração o Ps3 só inovou mesmo na criação da nova mídia o Blue Ray, diferente dos outros que trouxeram novos controles e novos meios de jogar, o Ps3 manteve a formula que conquista muitos fãs a cada jogada e com a criação do Kinect a maquina da Sony não poderia ficar atrasada, e colocou no mercado a câmera Playstation Eye 220px-PlayStation_Eye  que serve como câmera digital, web cam nos chats da Sony, pode criar adereços a alguns jogos e é importantíssima em jogos como The Eye of Judgmente que a utiliza o tempo todo. Com isso a Sony criou também o Playstation Move que capta os movimentos do corpo e do controle, ou seja o mesmo do concorrente de cima.

 

Mas o ponto é justamente esse!

Até que ponto o vídeo game vai evoluir e deixar de ser uma diversão? Lembro do dia que conversava com o Adam e ele me contou que a sua namorada queria viajar para fazer uma especialização para o curso de fisioterapia que usava apenas o Wii como principal objeto, que na especialização os jogos mais utilizados eram o Wii sports e o outro de esporte que eu não recordo o nome. Enfim, conversando com o Jônatas quem me falou da tecnologia do Kinect para fisioterapia também, e como modo de malhar também, quer dizer o que antes era levado como uma brincadeira hoje é elevado ao nível de coisa séria cuidar da vida das pessoas utilizando um console de vídeo game. Que coisa mais absurda! Não sei se é por causa que não faço parte dessa nova geração ou se eu estou ficando velho mesmo, mas quando eu era moleque e até hoje vídeo game para mim é algo como diversão não como cuidar da saúde.

Lembro quando ficava imaginando como seria jogar Battle Arena Toshiden usando aqueles montes de fios e os óculos 3d sem precisar de controle, onde cada soco era um soco, onde a estratégia de luta podia valer de algo e hoje me vendo aqui com um console de ultima geração que pode ser um “salva vidas” de daqui alguns anos… Incrível como as coisas mudam…

Para terminar fica a questão, será que com essa mudança drástica os jogos vão ser produzidos no Brasil? Será que isso vai diminuir o valor de um game? Ou vai continuar tudo como tá sendo um dos maiores impostos do país simplesmente para encher o bolso de políticos filhos da puta que ganham dinheiro dormindo?

puta-que-pariu-11

Revoltante? Sim, possível? Talvez! Vou aderir? Nunca

Vídeo game para mim é DIVERSÃO!

e tenho dito! =D

abraços

Anti-Mentor

Hobbies de Adultos, brincadeira de crianças…

O Corvo


Nossa como fazia tempo que eu não postava aqui no blog, enfim, problemas com a faculdade, trabalho que estava muito corrido e eu meio que acabei tirando umas férias do blog, entretanto, aqui estou eu sentado na minha cadeira do trampo escrevendo um novo post para todos que tem lido o material do blog.
Para começar vou explicar o motivo do titulo do post e do que se trata… Vamos lá!
No dia 6 de julho viajei para Belém para passar 10 dias, fiquei na casa de um amigo que me apresentou seus amigos, como nerd geralmente conhece nerds e é assim que a teia de contatos para coisas nerds cresce (leia-se quadrinhos, rpg, magic, video game, etc).
Então em uma noite eu fui ao shopping com a minha namorada passear e ver o que Belém poderia me induzir a comprar (sim sou comprador compulsivo), foi quando passando por uma loja eu senti uma atração enorme para entrar, foi quando entrei e me deparei com algumas miniaturas de chumbo, sim miniaturas de chumbo que haviam sido proibidas a venda no Brasil, não interessava quais eram os modelos o importante eram as miniaturas, eis que vejo uma do Thor, como o filme do mesmo está sendo produzido então pensei por que não? Eu curto o personagem mesmo! E continuei olhando as outras quando me deparei com uma do Homem de Ferro, ele está em uma pose como se estivesse acabado de posar, a miniatura era linda demais. Peguei-a em minhas mãos e fiquei coisa de 10 minutos contemplando-a quando minha namorada vira e fala, “Vais comprar bonequinhos é?” E é nesse momento que começa o post, por que eu passei alguns minutos explicando a diferença entre miniaturas de chumbo para simples bonequinhos, mas isso é algo muito difícil de explicar quando não sem tem a mesma paixão por algo.

Action Figure do Thor e Wolverine

Continuando quando cheguei em casa mostrei pro Glauber e ele ficou boque aberto adorou, enquanto a ex-namorada dele achou que era apenas um boneco e se juntaram dois para novamente tentar explicar a diferença. Foi quando um amigo do Glauber chegou e ele me apresentou o Mike e quando mostrei para ele a miniatura e começamos a conversar sobre qual era a versão do “conversor de energia que ele usava no peito, se era o mesmo do filme etc..” Foi quando o Glauber nos convidou para ir a um bar com outros amigos, e foi quando conheci o casal Raphael e a Thaís e nos dirigimos até um barzinho para tomar umas cervejas e conversar um pouco.

Onslaught

Conversa vai conversa vem chegamos a um assunto muito interessante, o quanto precisamos mascarar nossos gostos “adultos” para poder ter coisas de crianças, e conversamos bastante, sobre a dificuldade que é você encontrar certas coisas para vender e do nada alguém vem e tira todo o teu barato porque deveria ser coisa de criança,
Como o Raphael disse “queria dar uma milenion falcon de lego pro meu filho” e ficamos pensando Thomas tem a idade entre 4 a 6 anos, então acredito que ele não entenda tanto sobre star wars ao ponto de se quer saber o valor que aquilo agrega a seu pai,

Star Wars Lego


Mike comentou que gastou uma quantia de dinheiro em miniaturas de D&D para mesas de RPG que ele narra, e que as guardou em um pote e o seu medo é que alguém pegue e dê para algum sobrinho, primo, etc… Sendo que elas são caras, até explicar que aquilo não são bonecos e sim miniaturas só ouviria algo como “tu ta gastando dinheiro com brinquedo?”

Miniatura de D&D

Enfim a idéia que quero passar é que hoje em dia precisamos mascarar nossos gostos com nomes supérfluos como “Action Comics” para falar de um boneco de plástico de um super herói, de um vilão ou etc. Porque hoje como adultos não podemos mais gostar de coisas de crianças que mudaram nossas infâncias, quem não se lembra dos bonecos do “Comandos em Ação” e não gostaria de ter novamente(ainda mais com o filme)?
Quem é adorador de carros e compra uma miniatura do Hot Whells personalizada da Stock Car e não acha o máximo, normalmente quem não entende pensa logo em apenas um carrinho e começam as chacotas…

Hot Whells Stock Car

Uma vez li no Orkut uma frase que dizia “Engraçado como os dias de hoje são estranhos, os adultos colecionam figurinhas da copa, enquanto as crianças colecionam pulseiras do sexo”, a mais ou menos 10 anos atrás uma criança que não colecionava o álbum de figurinhas da copa ou de qualquer coisa era estranha, quem não brincava de carrinho na rua, destruía bonecos, empinava pipas e hoje, os pais enchem as crianças e atividade que brincar já não é mais uma “obrigatoriedade” como na minha época, desde pequeno o guri já tem, aula de inglês, espanhol, natação, artes marciais, e ainda tem a escola que consome boa parte do dia, fora que ainda existe a televisão e a sua alienação para com boa parte da massa e “formação” de crianças, os desenhos de hoje já possuem um conteúdo um pouco mais “pra frente” como costumam dizer aqui em Macapá, nada mais é como antes. Eu se pudesse compraria hoje coisas que mudaram a minha vida quando mais novo, jogos de tabuleiro, Ludo, Xadrez, Damas, Banco Imobiliário, algumas miniaturas de carros que eu adoro, action figures do star wars, miniaturas de RPG, enfim hoje eu posso comprar, mas será que vale a pena comprar e ser feliz por ter adquirido algo que fez parte da sua vida? Ou ser alvo de chacotas de amigos porque os mesmos não entendem o seu “hobbie”? Fica a questão… Será que um dia os antigos hábitos de colecionar as coisas, como tampinhas de refrigerante, latas de cerveja ou etc. voltarão ou os nossos jovens estão fadados a continuar ouvindo Restart, Fresno, e essas coisas que não incluem nada em suas mentes, fazendo com que a única coisa que eles colecionem seja pulseiras do sexo?
Enfim o texto é mais uma história de um caso que aconteceu, gosto de discutir sobre isso, acho uma coisa bem interessante esse assunto, então se alguém tiver algo em que discorde, por favor, DIGA!
Abraços
Anti-Mentor.

« Older entries