Vamos falar de Musica Nordestina?

Demorei um pouco para postar algo novo, mas estou aqui para falar um pouco de uma coisa que mudou muito a musica no Brasil em meados da década de 90 e que infelizmente não teve tanta abrangência quanto outros nomes…
Já ouviu falar de Maracatu, Coco, Ciranda ou Caboclinho? Não? São musicas de raiz do nordeste, principalmente do Recife, não que sejam exclusivamente do Recife mas que tiveram mais visualização lá!

Esse post vai ser um pouco extenso, então preparem-se!!

Começando por partes falarei um pouco do movimento musical e depois entrarei na idéia do movimento que eu vim falar o Movimento MangueBeat que revolucionou o modo de ver o nordeste, levando para o resto do país musicas de atitude com um leve toque do sertão brasileiro.

E a uma critica sobre a atual cena “rock” do Brasil…

Maracatu: (Vide Wikipédia)

Maracatu é uma manifestação cultural da música folclórica pernambucana afro-brasileira. É formada por uma percussão que acompanha um cortejo real. Como a maioria das manifestações populares do Brasil, é uma mistura das culturas indígena,africana e européia. Surgiu em meados do século XVIII. Foi criado para formar uma crítica as cortes portuguesas.

Alguns personagens que compõe o cortejo do Maracatu segundo a Wikipédia:

As personagens que compõem o cortejo são os seguintes:

  1. Porta-estandarte, que leva o estandarte; este contém, basicamente, o nome da agremiação, uma figura que o represente e o ano que foi criada.
  2. Dama do paço, mulher que leva em uma das mãos a CALUNGA(boneca de madeira, ricamente vestida e que simboliza uma entidade ou rainha já morta).
  3. Rei e rainha, as figuras mais importantes do cortejo, e é por sua coroação que tudo é feito.
  4. Vassalo, um escravo que leva o PALIO(guarda-sol que protege os reis).
  5. Figuras da corte: príncipes, ministros, embaixadores, etc.
  6. Damas da corte, senhoras ricas que não possuem título nobiliárquicos.
  7. Yabás, mais conhecidas como baianas, que são escravas.
  8. Batuqueiros, que animam o cortejo, tocando vários instrumentos, como caixas de guerra, alfaias (tambores), gonguê, xequerês, maracás, etc.

Algumas Imagens:

Coco (Dança) Segundo a Wikipédia:

O coco é um ritmo que vem da divisa de Alagoas com Pernambuco. O nome refere-se também à dança ao som deste ritmo.

Coco significa cabeça, de onde vêm as músicas, de letras simples. Com influência africana e indígena, é uma dança de roda acompanhada de cantoria e executada em pares, fileiras ou círculos durante festas populares do litoral e do sertão nordestino. Recebe várias nomenclaturas diferentes, como coco-de-roda, coco-de-embolada, coco-de-praia, coco-do-sertão, coco-de-umbigada, e ainda outros o nominam com o instrumento mais característico da região em que é desenvolvido, como coco-de-ganzá e coco de zambê. Cada grupo recria a dança e a transforma ao gosto da população local.

O som característico do coco vem de quatro instrumentos (ganzá, surdo, pandeiro e triângulo), mas o que marca mesmo a cadência desse ritmo é o repicar acelerado dos tamancos. A sandália de madeira é quase como um quinto instrumento, se duvidar, o mais importante deles. Além disso, a sonoridade é completada com as palmas.

Existe uma hipótese que o diz que o surgimento do coco se deu pela necessidade de concluir o piso das casas no interior, que antigamente era feito de barro. Existem também hipóteses que a dança surgiu nos engenhos ou nas comunidades de catadores de coco.

Algumas Imagens:

Caboclinhos segundo a Wikipédia:

Caboclinhos é uma dança folclórica executada durante o Carnaval, no Nordeste do Brasil, por grupos fantasiados de índios que, com vistosos cocares, adornos de pena na cinta e nos tornozelos, colares, representam cenas de caça e combate.

Os instrumentos musicais são a gaita (flauta de apito ou pífano), duas maracas de zinco ou flandre e um surdo (bombo)de zinco coberto com couro de bode em ambos os lados.

As preacas são instrumentos de marcação em forma de arco e flecha, produzindo um som seco, em harmonia com o surdo; também o apito para os caboclos de frente, que puxam o cordão, tanto dos homens como das mulheres.

Os ritmos são o perré (ou toré), guerra e baião, sendo o primeiro mais lento.

A dança é forte e rápida, exigindo destreza e desenvoltura dos participantes. Há passos em que se dança agachado, baixando-se e levantando-se rapidamente e ao mesmo tempo rodopiando, apoiando-se nas pontas dos pés e calcanhares, exigindo muita resistência física.

Os personagens do caboclinhos são:

  • Cacique e "cacica" (ou mãe da tribo), ambos usando tanga e saiote de plumas ou penas;
  • Porta-estandarte;
  • Conjunto de três tocadores (gaita, maracas e surdo);
  • Cordões (filas indianas) de caboclos e caboclas;
  • Grupo de crianças ou "curumins" (do tupi kuru´mi, menino).

Algumas Imagens:

Pronto agora que eu falei um pouco de alguns ritmos do nordeste, vamos ao que realmente importa, já ouviu falar do movimento Manguebeat? O movimento que nasceu em meados da década de 90, com bandas como Chico Science e Nação Zumbi, Mundo Livre S/A, Mestre Ambrósio entre outras.

Mas qual é o papo do Movimento?

Segundo a Wikipédia o Manguebeat:

Manguebeat (também grafado como manguebit ou mangue beat) é um movimento musical que surgiu no Brasil na década de 90 em Recife que mistura ritmos regionais, como o maracatu, com rock, hip hop e música eletrônica.

Esse estilo tem como ícone o músico Chico Science, ex-vocalista, já falecido, da banda Chico Science e Nação Zumbi, idealizador do rótulo mangue e principal divulgador das idéias, ritmos e contestações do Manguebeat. Outro grande responsável pelo crescimento desse movimento foi Fred 04, vocalista da banda Mundo Livre S/A e autor do primeiro manifesto do Mangue de 1992, intitulado "Caranguejos com cérebro".

O objetivo do movimento surgiu de uma metáfora idealizada por Zero Quatro, ao trabalhar em vídeos ecológicos. Como o mangue é o ecossistema biologicamente mais rico do planeta, o Manguebeat precisava formar uma cena musical tão rica e diversificada como os manguezais. Devido a principal bandeira do mangue ser a diversidade, a agitação na música contaminou outras formas de expressão culturais como o cinema, a moda e as artes plásticas. O Manguebeat influenciou muitas bandas de Pernambuco e do Brasil, sendo o principal motor para Recife voltar a ser um centro musical, e permanecer com esse título até o momento.

Tá e ae? O que isso vem a adicionar a nossas vidas? Tudo! Oras, vivemos em um país de misturas, onde cada região tem sua parcela de regionalidade aflorada, aqui no norte, mas precisamente em Macapá eu não vejo nenhuma banda se interessando por usar instrumentos de musicas regionais, como o Batuque do Marabaixo, mas enfim eu sou de Fortaleza e sempre me interessei por outros tipos de costumes e formas de cultura. Nisso comecei a conhecer bandas como Nação Zumbi, Mestre Ambrósio, Sheik Tosado, que são bandas com letras muito fortes, com uma batida alucinante e que traziam em seus riffs pequenos detalhes de musica regional o que é sensacional.

chico-Science

Em 1997 morre de acidente de carro, Chico Science um dos maiores nomes do Movimento Manguebeats, uma perda para o Brasil que acredito que nunca mais poderemos ter mente igual na musica, vide situação atual que vivemos com bandas que nada acrescentam e não mostram nada a essa nova juventude.

Chico deixou um legado na música que é lembrado até hoje, mesmo não tendo sido tão lembrado pela mídia quanto a morte dos Mamonas Assassinas, mas no nordeste, muitas tribos diferentes comemoram em forma de tributo o legado que Chico ajudou a criar e difundir.

Mostrando que o Nordestino tem uma cultura rica em todos os aspectos diferentemente do que citam as outras regiões do país. Lembro que quando morei em São Paulo, ao comentar que eu morava em Macapá as pessoas se assustavam com isso diziam que aqui viviam pessoas em casas que ficavam em árvores, que nós criávamos onças e etc. Ao comentar que eu havia nascido no Nordeste foi outra “brincadeira”, mas fica pior as pessoas não se dão ao trabalho de conhecer uma cultura, nem o que ela possui a oferecer simplesmente por um conceito pré concebido totalmente idiota de que todo nordestino é um gabiru.

Abaixo vou deixar alguns vídeos das bandas de renome do movimento Manguebeats, para que todos possam ouvir e conhecer um pouco, sei que já faz muito tempo que não se ouve falar pois a maioria das bandas já acabou mas mesmo assim é sempre bom adicionar informação, mesmo que seja deforma “atrasada” porque informação nunca é tardia e sim complementada.

Chico Science e Nação Zumbi – Maracatu Atômico

No bico do beija-flor, beija-flor, beija-flor
Toda fauna-flora grita de amor
Quem segura o porta-estandarte
Tem a arte, tem a arte
E aqui passa com raça eletrônico maracatu atômico
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê
Atrás do arranha-céu tem o céu tem o céu
E depois tem outro céu sem estrelas
Em cima do guarda-chuva, tem a chuva tem a chuva,
Que tem gotas tão lindas que até dá vontade de comê-las
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
No meio da couve-flor tem a flor, tem a flor,
Que além de ser uma flor tem sabor
Dentro do porta-luva tem a luva, tem a luva
Que alguém de unhas tão negras e tão afiadas esqueceu de pôr
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
No fundo do para-raio tem o raio, tem o raio,
Que caiu da nuvem negra do temporal
Todo quadro negro é todo negro é todo negro
Que eu escrevo seu nome nele só pra demonstrar o meu apego
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
No bico do beija-flor, beija-flor, beija-flor,
Toda fauna flora grita de amor
Quem segura o porta-estandarte
Tem a arte, tem a arte
E aqui passa com raça eletrônico maracatu atômico
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê
Manamauê, auêia, aê…

Sheik Tosado – Repente Envenenado

Eu sou apenas um pedaço do universo
e tô aqui cantando verso para você se amarrar
O povo todo só pensava no progresso
E esqueceu que o resto ainda está pra começar
Sol levantou, Brasil acordou
Ficha na vitrola que é pra tocar na caixola
Sons que são vitrine irresistível
De um país marcado e de corpo caído
Se o meu canto é forte dou um eco no país
Brasil swing, sangue por aqui
Conceito armorial
A vida se torna algo experimental
Dentro do click e sem sair do tempo
Fazendo batuque, sampleando o que não penso
Palavras vulgares de uma língua chula
Corrupção, contravenção, desfalque, entretenimento
Ei menino o papangú
quer te pegar

Mundo Livre S/a – Samba Esquema Noise

A felicidade como a morte
É como um concurso milionário da Tv
Existe um globo infinito
Com bilhões de bolinhas
Girando
Em algum lugar
A cada instante uma deusa
Retira um número
Que pode ser o meu
Dá pra entender?
Por isso,
Nada de pudores
Dá pra entender?
Ou você explora o próximo
Ou o próximo é você
Esta é a única moral
Do mundo
Dá pra entender?
A felicidade como a morte
É como um concurso milionário da Tv
Existe um globo infinito
Com bilhões de bolinhas girando em algum lugar
Dá pra entender?
A cada instante uma deusa retira um número
Que pode ser o meu
Por isso nada de pudores
Dá pra entender?
Ou você explora o próximo
Ou o próximo é você
Esta é a única e verdadeira moral no mundo horrível
Dá pra entender?
Passei na cidade
Girando em algum lugar

Mestre Ambrósio – Coqueiros

O vento balança
os coqueiros
que moram (dançam)
na beira do mar !
Traz de volta
meu amor,
coqueiro,
ele foi viajar !
Bem pra lá
defronte,
no horizonte
onde o mar se perdeu !
Onde a curva da curva
do mundo
fez a curva
e o dia nasceu !
E já, já volta !
Vem chegando
Pro dia nascer !
E já, já volta !
Onde danço
com o vento
e você !

Bem coloquei as letras embaixo para poder acompanhar e ver o nível que as letras tinham e fazer a velha comparação do antigo rock com o rock atual, que é composto por essa felicidade toda, esquecendo que o estilo é baseado em atitude, com formas diferentes de expressar o pensamento, seja ele religioso, politico ou qualquer que seja.

O rock deve voltar a ser o que um dia foi, porque estamos perdidos em um mundo onde a “felicidade” contagia a todos, não para o bem, e sim para poder fazer o melhor para o da MTV! A emissora que mais divulga o trabalho dessas bandas porcarias que acreditam que cabelos, roupas coloridas e falar de formas diferentes da “cornitude” que já passaram é um reflexo da atual geração…

Vamos voltar as raízes do velho rock e trazer a tona letras politicas como o rock nacional, com atitude como o Brasil produziu, e o mais importante, vamos procurar bandas com conteúdo, na música é um dos mais importantes fatores! O Conteúdo!

Obrigado por ler!

Abraços

Anti – Mentor

2 Comentários »

  1. Natan Said:

    Cara, como a net não me permite, não deu pra abrir os videos, mas li as letras e curti! eu realmente não conhecia nenhuma dessas bandas (no máximo o nação zumbi, de nome, salvo engano!) mto menos os estilos regionais do nordeste!
    A cultura aki no amapá, não só na parte de música, como no teatro ou na quantidade de cinemas é fraquíssima, eu mesmo só conheço zé miguel u.u claro que não é culpa de ninguém se os investimentos nessa área são pífios, a não ser a culpa do próprio governo
    e quanto a parte do conteúdo da geração atual… bem, a gnt já falou tanto sobre isso q não resta mto a comentar, só q tá uma bosta e a mulekada tá idiota e é esse o nosso brasil!
    Skiner é cultura, olha só.. auahauahua
    flws!

  2. Valeu!!!!!


{ RSS feed for comments on this post} · { TrackBack URI }

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: